Geral

Profissionais paralisam atendimentos em Ribeirão

Da Redação ·

RIBEIRÃO PRETO, SP, 3 de julho (Folhapress) - Profissionais da saúde de Ribeirão Preto (313 km de São Paulo) aderiram hoje à mobilização nacional contra as medidas adotadas pelo governo brasileiro na área da saúde. Na Santa Casa e na Beneficência Portuguesa, os atendimentos eletivos -cirurgias, exames ambulatoriais e consultas- foram suspensos. Às 16h, uma passeata dos profissionais está marcada no centro da cidade. Uma das principais reivindicações é o exame para revalidar o diploma de profissionais estrangeiros para atuar no SUS (Sistema Único de Saúde). A categoria reivindica também melhores salários. A direção da Santa Casa garantiu que os usuários não foram afetados com a medida porque foram avisados com antecedência e os atendimentos remarcados. Apenas os atendimentos de urgência e emergência estão mantidos. O diretor clínico da instituição, Luiz Claudio Fontes Mega, diz que o ato prega ainda melhores condições de trabalho para os médicos. Ele defende o Revalida --exame para comprovar a competência de profissionais que eventualmente sejam contratados pelo governo. "Não somos contra a importação [dos médicos]. Somos a favor de profissionais com a qualidade", diz. Fontes Mega também fala da baixa remuneração: "Um médico ganha doze reais [do SUS, por dia] para cuidar de um paciente em estado grave. É um valor menor do que uma manicure recebe por trabalho." Na Beneficência Portuguesa, 220 atendimentos ambulatoriais e 140 eletivos foram cancelados. Todos foram remarcados. No Hospital das Clínicas da USP de Ribeirão e no Santa Lydia, o atendimento está normal na manhã de hoje. A concentração para a passeata acontece na esplanada do Theatro Pedro 2º. Os profissionais sairão com destino ao palácio Rio Branco, sede da Prefeitura de Ribeirão Preto. As manifestações no Brasil são organizadas pela AMB (Associação Médicas Brasileira), ANMR (Associação Nacional dos Médicos Residentes), CFM (Conselho Federal de Medicina) e Fenam (Federação Nacional dos Médicos).  

continua após publicidade