Geral

Após escala de 13 h, avião de Morales deixa a Áustria

Da Redação ·

SÃO PAULO, SP, 3 de julho (Folhapress) - O avião do presidente da Bolívia, Evo Morales, decolou hoje do aeroporto de Viena, onde foi obrigado a fazer uma escala de 13 horas depois de vários países do continente fecharem seus espaços aéreos pela suspeita de que o mandatário levaria o técnico em informática Edward Snowden. A aeronave deveria ter feito uma escala em Lisboa, mas, devido à suspeita, foi só autorizado a pousar na Áustria. A situação provocou irritação de Morales e de diversos países da América Latina, que qualificaram o desvio como uma agressão. Em entrevista antes de voltar a La Paz, Evo Morales acusou EUA de pedirem a países europeus que bloqueassem avião A comitiva boliviana foi liberada após uma inspeção voluntária feita pelas autoridades austríacas, que viram apenas cidadãos bolivianos dentro do avião. Após deixar Viena, Morales deverá fazer uma escala nas ilhas Canárias, na Espanha, e em Fortaleza antes de ir a La Paz. Em entrevista, o boliviano chamou o desvio de agressão. "Não sou um criminoso. Isso é um pretexto para tentar me amedrontar, intimidar e castigar. Um pretexto para tentar nos calar na luta contra as políticas econômicas de dominação." Ele acusou os Estados Unidos de terem pedido a Itália, França, Portugal e Espanha que proibisse o voo sobre os seus territórios e afirmou que a situação foi um erro histórico. "Só quero dizer a alguns países europeus que se livrem do império norte-americano. Já passamos da época do colonialismo." Para ele, o impedimento de que seu avião pousasse foi uma agressão à toda a América Latina. Morales ainda prometeu estudar as ações diplomáticas que seu país tomará contra as nações europeias que bloquearam sua passagem. Mais cedo, o embaixador boliviano na ONU, Sacha Llorente, disse que comunicará o fato ao secretário-geral da organização, Ban Ki-moon. Ele considerou a ação uma violação das regras do direito internacional e acusou os Estados Unidos de terem ordenado o desvio. Desvio O presidente boliviano vinha de Moscou e deveria fazer uma escala para reabastecimento em Lisboa antes de seguir para La Paz. No entanto, foi impedido de pousar na capital portuguesa e foi obrigado a ir até a Áustria, após ter sua passagem negada pelos espaços aéreos espanhol, francês e italiano. Os países suspeitavam de que Morales estaria levando consigo o técnico Edward Snowden, cuja extradição é pedida pelos Estados Unidos. O americano é responsável pelo vazamento de informações sobre o esquema de vigilância feito por Washington a telefones e dados de internet de todo o mundo. O delator está na área de trânsito do aeroporto de Sheremetyevo, na capital russa, desde o dia 23, e pediu asilo à Bolívia, dentre outros 20 países, incluindo o Brasil. Ontem Morales anunciou que estudava a proposta.  

continua após publicidade