Geral

Contra estrangeiros, médicos fazem paralisação nacional amanhã

Da Redação ·





SÃO PAULO, SP, 2 de julho (Folhapress) - A AMB (Associação Médica Brasileira) deve fazer uma paralisação nacional de médicos no dia 3 de julho. O protesto, segundo a entidade, é feito por conta da decisão do governo federal de trazer médicos do exterior para que trabalhem no SUS (Sistema Único de Saúde).

Segundo a associação, serão mantidos apenas os serviços de urgência e emergência. Cirurgias e atendimentos eletivos, por exemplo, não seriam atendidos nesta data. A AMB planeja ainda para o dia uma passeata. A concentração será às 16h na sede da entidade, na rua São Carlos do Pinhal (região central de SP). De lá, o grupo seguirá até a sede da Presidência da República, na avenida Paulista.

Ontem, o ministro Alexandre Padilha (Saúde) afirmou que para fixar médicos estrangeiros e brasileiros no interior do país e nas periferias vai pagar um salário de R$ 10 mil. A expectativa é que o polêmico programa de atração de médicos, citado pela presidente Dilma Rousseff como resposta "à voz da rua", seja lançado na próxima semana.

O governo trabalha com um número próximo a 10 mil médicos que podem ser atraídos pelo edital, a ser lançado nos próximos dias. O número exato de vagas a serem ofertadas ainda será fechado, a depender do interesse dos municípios.

Segundo os médicos, o problema de falta de profissionais da saúde em áreas remotas do país não ocorre porque não há médicos e, sim, por falta de investimentos do governo federal. Eles defendem a implementação de uma carreira federal médica.

"Existem cidades brasileiras com uma proporção médico/habitante maior do que em países europeus. E como estão as emergências públicas dessas cidades? Vamos focar no que é melhor para a população brasileira", diz Floriano Cardoso, presidente da AMB.
 

continua após publicidade