Geral

Reivindicações de caminhoneiros não podem ser atendidas, diz ministro

Da Redação ·





Por Tai Nalon

BRASÍLIA, DF, 2 de julho (Folhapress) - O ministro dos Transportes, César Borges, afirmou hoje que as reivindicações de caminhoneiros que desde ontem paralisaram estradas de nove Estados são "impossíveis de serem atendidas".

Ele afirmou, após reunião no Palácio do Planalto, que os bloqueios, frutos de um "movimento pequeno", são motivados por "interesses de ocasião". Não descartou também que poderá pedir para usar força policial para liberar estradas.

Os manifestantes reivindicam soluções para questões nacionais da categoria, entre elas, o subsídio no preço do óleo diesel, isenção do pagamento de pedágios para caminhões e criação da secretaria do Transporte Rodoviário de Cargas.

Borges diz que o óleo diesel já é subsidiado e não se pode contrariar contratos existentes de pedágio.

"Estamos vendo agora um movimento pequeno se aproveitar do que está passando o país para interditar as rodovias federais impedindo inclusive o sagrado de ir e vir da população brasileira e principalmente dos caminhoneiros", disse o ministro.

Ele disse que a Polícia Rodoviária Federal poderá atuar para remover os veículos que bloqueiam estradas. Afirmou ainda que a pasta criará uma câmara de diálogo com representantes do setor, sejam favoráveis ou não à paralisação, para negociação.

Borges reuniu-se hoje com a ministra Gleisi Hoffmann (Casa Civil) e dirigentes de federações de transportadores autônomos que são contrários às paralisações recentes.

Protestos de caminhoneiros bloqueiam rodovias em pelo menos nove Estados: Bahia, Espírito Santo, Mato Grosso, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Rondônia e Santa Catarina.
 

continua após publicidade