Geral

Polícia identifica suspeitos de participar de arrastão em pizzaria na zona sul

Da Redação ·

Por César Rosati e Eduardo Anizelli SÃO PAULO, SP, 29 de maio (Folhapress) - A polícia já identificou os suspeitos de participarem de um arrastão na noite de ontem em uma pizzaria na Vila Mariana, na zona sul de São Paulo. Durante o assalto, os bandidos levaram diversos celulares dos clientes e, em um deles, havia um localizador. Com isso, a policia conseguiu rastreá-lo e chegar até a casa dos suspeitos na Vila Prudente, na zona leste da capital paulista, na noite de ontem. Após a abordagem da polícia, um dos suspeitos foi morto durante troca de tiros e outros três conseguiram fugir do local. O delegado Antônio de Olim afirmou que os criminosos ainda participaram de outros assaltos. "Ele, com mais quatro indivíduos, moram há alguns meses na região e estão envolvidos em diversos crimes." Na casa, a polícia encontrou quatro armas e diversos objetos de valor. De acordo com o O Deic (Departamento de Investigações sobre Crime Organizado), a policia já está atrás dos fugitivos, mas os nomes não foram revelados para não prejudicar a investigação. Arrastão Segundo a Secretaria da Segurança Pública, cinco homens fizeram um arrastão na pizzaria Forno da Vila, na rua Capitão Macedo, por volta das 21h15. No momento em que o crime ocorreu, um grupo comemorava um aniversário no local. Ninguém ficou ferido. Eles ainda roubaram, joias, três iPhones, dois relógios de luxo, cartões bancários e bolsas, além de cerca de R$ 700 em dinheiro de seis dos cerca de 20 clientes que estavam no local. Entre as vítimas, havia duas atrizes e um publicitário. Um dos sócios da pizzaria Carlos Moreira disse que a ação ocorreu muito rápido e que os criminosos provavelmente não sabiam que a pizzaria fica em frente a uma base da Guarda Civil Metropolitana, a cerca de 100 metros de uma da PM e próximo a uma delegacia. Ele afirmou que esta é a primeira vez que o comércio é assaltado desde que foi inaugurado há três anos. "Nós também temos um sistema de câmeras que estava passando por uma manutenção no armazenamento do disco rígido e estava desligado. Mas a polícia pegou imagens de outras câmeras da região [para identificar os criminosos]", disse. Este é o primeiro caso investigado pela Delegacia de Crimes Patrimoniais e Intervenções Estratégicas, do Deic (Departamento de Investigações sobre Crime Organizado), criada na última semana. Ela servirá para investigar "crimes sazonais e especiais", como arrastões.  

continua após publicidade