Geral

Ex-bolsistas de pós terão que devolver mais de R$ 4 milhões

Da Redação ·

Em pouco mais de um mês, sete ex-bolsistas de pós-graduação no exterior terão que devolver cerca de R$ 4 milhões aos cofres públicos.
Recentemente, o TCU (Tribunal de Contas da União) condenou quatro estudantes que faziam pós-graduação no exterior a pagar, juntos, mais de R$ 2 milhões.

continua após publicidade

Um engenheiro físico foi condenado pelo tribunal em 2008 a pagar R$ 230 mil ao CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico).

Até hoje, a dívida não foi quitada, e nessa semana o TCU emitiu outra condenação. Com juros e multas, o ex-bolsista deve R$ 743,6 mil aos cofres da entidade.

continua após publicidade

Mestrando em matemática, outro estudante foi beneficiado pela Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) para fazer a pós-graduação na City University of New York (CUNY), nos Estados Unidos.

O aluno, porém, não concluiu o curso e também não voltou ao Brasil para exercer atividades ligadas aos estudos realizados. Ele terá que pagar R$ R$ 508,8 mil à União.

Mais duas ex-bolsistas foram condenadas pelo mesmo motivo, e terão que pagar, ao todo, R$ 893,9 mil. Uma delas teve o CPF suspenso pela Receita Federal e ainda não apresentou um advogado para a sua defesa.

continua após publicidade

Os quatro estudantes têm 15 dias para efetuarem o pagamento. Cabe recurso nas quatro decisões.

Início de março

Como o R7 já havia noticiado, outros três ex-alunos já haviam sido condenados pelo TCU no início do mês passado. Ao todo, eles pagarão R$ 1,92 milhão aos cofres públicos.

continua após publicidade

Um deles foi estudar engenharia elétrica na Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, mas não ficou no Brasil por três anos após concluir os estudos, conforme o contrato da bolsa com o Capes. Ele vai pagar R$ 990,6 mil.

No segundo caso, o pós-graduado não comprovou a conclusão do doutorado no exterior nem voltou ao Brasil, como é exigido pelo programa do CNPq. O TCU determinou que ele devolvesse R$ 368,5 mil para a União.

Outro condenado é um brasileiro que fazia doutorado na Espanha. O jovem, que estudava pós-graduação em administração de empresas, também voltou ao Brasil sem que o curso houvesse sido concluído.

Entre outubro de 1992 e dezembro de 1996 ele recebeu recursos que, em valores atualizados, chegam a quase R$ 300 mil. Agora, tem que pagar R$ 568,6 mil aos cofres do governo federal.