Geral

Padre de Ribeirão Preto usou rojões para espantar pombos da igreja

Da Redação ·





RIBEIRÃO PRETO, SP, 26 de maio (Folhapress) - Ele tentou de tudo para combater os pombos da praça das Bandeiras, uma das principais de Ribeirão Preto, no interior de São Paulo. Usou outros animais, cogitou a aplicação de um repelente, mas foram rojões que espantaram as aves.

Durante alguns meses, o padre Francisco Jaber Zanardo Moussa coordenou a soltura de fogos na praça, que fica em frente à catedral e é um dos cartões postais da cidade.

Conhecido como padre Chicão, Moussa teve até problemas com ONGs de defesa animal, que o acusaram de matar os pombos. Por isso, foi chamado ao Ministério Público para dar explicações.

O problema para a igreja, alegava Moussa, era que as pessoas pisavam nas fezes dos pombos caídas na praça e levavam a sujeira para dentro da catedral.

Revoltado com a falta de ação do poder público, o religioso decidiu ele mesmo agir contra os pombos, com aval do então arcebispo, dom Joviano de Lima Júnior (1942-2012).

Entre 2007 e 2010, Moussa fez várias tentativas para espantar os pombos. Cogitou até utilizar macacos na praça.

Antes de utilizar rojões, o religioso anunciou que soltaria gaviões e falcões e planejou usar um repelente contra as aves. Só que o produto precisava de autorização do Ibama, que, segundo o padre, demorou para dar uma resposta.

"Fiquei doido [com a demora] e comecei a soltar foguetes na praça para espantar os pombos", disse à Folha de S.Paulo em 2011.

Hoje, os pombos não incomodam mais. Segundo a assessoria da Cúria Metropolitana, as ações do padre Chicão "equacionaram o problema".
 

continua após publicidade