Geral

Obama pede que militares acabem com a violência sexual

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Obama pede que militares acabem com a violência sexual
Obama pede que militares acabem com a violência sexual

SÃO PAULO, SP, 24 de maio (Folhapress) - O presidente dos EUA, Barack Obama, pediu hoje aos futuros líderes do Exército americano que acabem com o abuso sexual nas forças armadas. Obama disse ainda que as atitudes de alguns indivíduos poderiam minar o aparato militar mais forte do mundo.

Durante um discurso voltado à turma de formandos da Academia Naval dos EUA, Obama falou sobre o problema, em pauta no Pentágono e na Casa Branca nas últimas semanas.

"Nós temos que reconhecer que, mesmo aqui, mesmo em nossas forças armadas, vimos como a má conduta de alguns pode surtir efeitos que se propagam por toda a parte".

O presidente disse que aqueles que os autores das agressões sexuais, além de cometer um crime, ameaçam "a confiança e a disciplina que fazem nosso contingente militar forte".

"É por isso que estamos determinados a parar esses crimes. Porque eles não tem lugar no maior Exército da terra", finalizou.

continua após publicidade
confira também

Uma série de incidentes recentes ligados a abusos sexuais levou os membros do Congresso americano a aprovaram uma legislação destinada a tratar esses crimes de forma mais severa.

Um estudo divulgado há duas semanas pelo Departamento de Defesa estima que os relatos de abusos sexuais nas forças armadas cresceu 37% em 2012, saltando de 19 mil casos em 2011 para 26 mil no ano passado.

Durante seu pronunciamento, Obama comparou o problema envolvendo casos de abuso sexual nas forças armadas com outras instituições americanas que, segundo o presidente, sofreram danos relacionados ao mau comportamento de servidores --em uma possível menção aos recentes escândalos envolvendo a Receita Federal americana (IRS, sigla em inglês).

Obama pediu à turma o respeito aos colegas e a valorização dos militares.

"Vocês vão liderar este país. Queremos restaurar a confiança que o povo americano merece ter em suas instituições, todos nós temos que fazer nossa parte".