Geral

Vinho químico, o "crack das bebidas", será fiscalizado na Virada

Da Redação ·

Por Ana Krepp SÃO PAULO, SP, 17 de maio (Folhapress) - O policiamento da 9ª edição da Virada Cultural, que será realizada neste fim de semana em São Paulo, terá como alvo principal da fiscalização o vinho químico, bebida com 90% de teor alcoólico produzida de maneira artesanal da mistura entre etanol (o mesmo vendido em postos de combustíveis) e corante de groselha. Segundo o coronel da Polícia Militar, Reynaldo Simões Rossi, comandante do policiamento da região central durante o evento, o vinho químico foi apelidado de "crack das bebidas" pelo alto teor alcoólico. A graduação máxima permitida pela Anvisa é de 54%. De acordo com a PM, em edições anteriores da Virada Cultural foram apreendidos mais de 15 mil litros desta bebida em poder de vendedores ambulantes, que chegavam a oferecer ao preço de até R$ 1,50 cada garrafa. Drogas ilícitas, como maconha, cocaína e crack também receberão atenção especial dos policiais. Segurança Cerca de 3.400 policiais militares irão se revezar em quatro turnos para garantir a segurança dos frequentadores do evento. Uma parte dos policiais estará à paisana. A PM não quis divulgar a quantidade de agentes que circularão sem identificação. "Eles estarão infiltrados entre o público com o objetivo de detectar situações capazes de evoluir para um tumulto ou práticas criminosas", afirma. O número de policiais a cada apresentação será definido de acordo com as características de cada apresentação. A PM diz que a atenção será redobrada quanto maior for o adensamento de pessoas". Este é o segundo ano em que o grupo de rap Racionais MCs se apresenta na Virada Cultural. Da primeira vez, em 2007, houve confusão e quebra-quebra entre a Polícia Militar e os fãs do grupo. Balas de borracha e bombas de efeito moral foram lançadas pela PM que recebeu a resposta com pedradas e garrafadas por parte do público. Para a apresentação do Racionais MCs na 9ª edição do evento, a PM não espera que haja problemas ou tumultos, pois acredita que "tanto músicos quanto espectadores estejam conscientes do caráter cultural da programação e da magnitude do evento". "Qualquer incidente indesejado, por provocações ou mau comportamento, poderá ter repercussões de nível internacional, o que definitivamente não é bom pra ninguém, muito menos pra cidade de São Paulo", diz o coronel Rossi. "Apesar de acreditarmos na civilidade das pessoas nesta Virada Cultural, é importante deixar claro que a Polícia Militar está preparada para agir em quaisquer situações adversas", conclui.  

continua após publicidade