Geral

Francisco deve celebrar missa em português, diz arcebispo

Da Redação ·

RIO DE JANEIRO, RJ, 17 de maio (Folhapress) - O comitê organizador local da Jornada Mundial da Juventude enviou ao Vaticano o roteiro de uma missa em português, a língua mais cotada para a celebração conduzida pelo papa Francisco no dia 28 de julho, em Guaratiba, no encerramento do encontro internacional de jovens católicos.

"O próprio papa pediu o missal (livro litúrgico usado nas celebrações eucarísticas) em português. Já enviamos tudo para Roma", disse dom Orani Tempesta, arcebispo do Rio e presidente do comitê organizador, após apresentar os projetos da Igreja Católica em favelas cariocas em um debate ontem no BNDES (Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

O idioma escolhido será comunicado ao comitê por um representante do Vaticano responsável pela liturgia das cerimônias pontifícias. De acordo com dom Orani, a segunda opção seria o latim.

"Com Bento 16, a missa (durante a jornada no Rio) ia ser em latim. Mas o papa Francisco já pediu os textos traduzidos. Por isso, acredito que a missa em Guaratiba será em português", acrescentou o arcebispo.

No dia 22 de julho, o papa Francisco desembarca por volta das 16h no aeroporto do Galeão, no Rio, para participar da Jornada Mundial da JuventudeAlém da cerimônia associada à jornada, o papa vai celebrar uma segunda missa, no dia 24 de julho, na basílica do município de Aparecida, no interior de São Paulo. Neste caso, o cardeal dom Raymundo Damasceno, arcebispo da cidade paulista e amigo do papa Francisco, já confirmou que a missa será em português.

O que permanece indefinido é o lugar da celebração em Aparecida. Em abril, Alberto Gasbarri, executivo responsável pelas viagens do papa, visitou o santuário e manifestou sua preferência por uma cerimônia no interior da basílica, com capacidade para abrigar até 40 mil pessoas.

Dom Damasceno pediu a realização de uma missa campal para 300 mil pessoas.

Quando o Vaticano divulgou a agenda do papa na viagem ao Brasil, não houve menção à missa na área externa da basílica. O cardeal de Aparecida ainda mantém a esperança de reunir uma multidão na passagem do papa pelo santuário.

No Vaticano, existe a preocupação de que uma missa de grande proporção em Aparecida possa afetar a presença do público na Jornada Mundial da Juventude.

Dom Orani diverge desta avaliação: "A missa em Aparecida poderia atrair pessoas que não terão oportunidade de vir ao Rio. Tem muita gente para muitas coisas".
 

continua após publicidade