Geral

Família de ciclista morto processará Thor e Eike por anunciar acordo sigiloso

Da Redação ·

RIO DE JANEIRO, RJ, 16 de maio (Folhapress) - O advogado de defesa da família do ciclista atropelado e morto por Thor Batista, filho do empresário Eike Batista, afirmou no início da tarde de hoje que vai entrar com dois processos na Justiça contra o acusado e seu pai pela quebra de sigilo de acordo de indenização de R$ 1 milhão aos parentes da vítima.

O acidente que resultou na morte de Wanderson Pereira dos Santos, 30, aconteceu em março de 2012, numa rodovia da Baixada Fluminense.

"Vamos ingressar na próxima segunda-feira (20) com um processo de execução cobrando a multa pactuada no contrato, de R$ 500 mil (valor fixo a ser dividido), pela quebra de sigilo do acordo, que foi o que eles praticaram. E vamos entrar com uma ação cobrando reparação por danos morais tanto pela tia como pela mulher de Wanderson", disse o advogado de defesa da família da vítima, Cleber Carvalho Rumbelsperger, à Folha de S.Paulo.

Além das duas mulheres, um amigo da família do ciclista também terá o nome incluído no processo que pede nova indenização. Na época que Thor e Eike Batista fizeram o acordo, o bombeiro Márcio Tadeu Rosa da Silva prestou apoio de transporte e alimentação à Maria Vicentina Pereira, tia do ciclista, considerada mãe de criação, e a mulher dele Cristina dos Santos Gonçalves.

A indenização de R$ 1 milhão -cedida à família por Thor e Eike Batista- foi dividida igualmente entre Maria Vicentina Pereira e Cristina Gonçalves. O bombeiro Márcio Silva, no entanto, também assinou o contrato e recebeu R$ 100 mil desse total. Na ocasião, a tia e a mulher da vítima estariam passando por uma situação financeira precária, segundo a defesa.

"Elas tem sofrido aborrecimentos e assédios de familiares e vizinhos depois da divulgação do valor do acordo. Por isso, vamos pedir uma reparação por danos morais", disse o advogado.

A Folha de S.Paulo entrou em contato com a assessoria de Thor e Eike Batista, mas ainda não obteve retorno. Thor, 21, prestou depoimento pela primeira vez em juízo no último dia 25. Ele afirmou que fez um acordo no qual pagou apenas R$ 300 mil de indenização à família do ciclista Wanderson Santos.

O réu voltou a afirmar que trafegava dentro da velocidade permitida (110 km/h), que estava muito escuro no local e o acidente foi "inevitável".

O rapaz contou que, como o carro que dirigia é baixo -uma Mercedes-Benz SLR McLaren-, viu só o quadro da bicicleta e um homem no meio da pista da esquerda.

Quando notou, disse, o ciclista "já estava em cima" e pisou no freio. Thor contou que pediu a seus seguranças que socorressem o homem.

A sentença de primeira instância deve sair até o final do semestre.
 

continua após publicidade