Geral

Anvisa apreende vacina falsa contra H1N1

Da Redação ·
As vacinas foram apreendidas em uma farmácia na região de Governador Valadares
fonte: AE- Paraná
As vacinas foram apreendidas em uma farmácia na região de Governador Valadares

Agentes da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e da Polícia Federal apreenderam vacinas falsificadas, entre elas contra Influenza A (H1N1), em uma drogaria do município de Dom Cavati, na região de Governador Valadares, Minas Gerais, na última sexta-feira. O proprietário do estabelecimento e a farmacêutica responsável foram presos pela Polícia Federal.
 

continua após publicidade

Foram apreendidas também a vacina Tetavax, contra tétano, proibida desde 2006, e vacinas contra gripe sazonal de origem desconhecida. Também foi constatada a venda de medicamentos controlados sem escrituração. Os produtos imitavam vacinas registradas do laboratório Sanofi-Pasteur.
 

Ao saber da ação dos fiscais, outra drogaria, no município vizinho de Fernandes Tourinho, suspeitando da qualidade das vacinas contra Influenza A (H1N1) que tinha adquirido, procurou a Polícia Federal. Essas vacinas também foram identificadas como produtos falsificados, cópias de vacinas da empresa Sanofi-Pasteur. Os números dos lotes impressos nas embalagens também simulavam produtos registrados.
 

continua após publicidade

Os dois casos levaram a equipe de fiscalização à distribuidora Soros e Vacinas Spardini, uma distribuidora fantasma que funciona numa residência em Governador Valadares. O proprietário da distribuidora está desaparecido.
 

Por conta da apreensão das vacinas falsificadas, a Anvisa alerta que a venda de quaisquer vacinas em farmácia e drogarias é proibida. As vacinas vendidas nesses estabelecimentos são provavelmente falsificadas ou de produção clandestina.
 

A vacina contra a Influenza A (H1N1) está sendo distribuída gratuitamente nos postos de saúde brasileiros. Já os cidadãos de faixas etárias não cobertas pela campanha pública de vacinação do Ministério da Saúde podem adquirir a vacina, mas somente em hospitais e clínicas privadas autorizadas pela vigilância sanitária.