Geral

Mãe pede na Justiça que Facebook exclua perfil de filha morta

Da Redação ·
Print do perfil no Facebook foi feito e enviado na manhã desta terça (23) por familiares
fonte: Reprodução/G1
Print do perfil no Facebook foi feito e enviado na manhã desta terça (23) por familiares

A Justiça de Mato Grosso do Sul ordenou que o Facebook Brasil tire do ar a página da jornalista Juliana Ribeiro Campos, 24 anos, que morreu em maio de 2012 após complicações por conta de uma endoscopia. A decisão estabelece prazo de 48 horas, a partir da notificação, para cumprimento da ordem e atende a uma ação aberta pela mãe da jovem, a professora Dolores Pereira Ribeiro, 50 anos.

A assessoria do Facebook Brasil frisa que não comenta casos específicos. No sistema da Justiça não consta a entrega da notificação. Após a morte da filha, a mãe fez diversas tentativas para desativar o perfil na rede social. Documentos que comprovam os pedidos de encerramento da página foram anexados no processo.

Dolores diz que a página de Juliana no Facebook virou um “muro de lamentações”, onde os quase 300 contatos que a jovem tinha na rede social continuam a postar mensagens, músicas e até fotos para a jovem. “Ver tudo isso é muito doloroso pra mim e também para as os amigos e para a família. Ela morreu e precisa ficar em paz, precisa se desligar desse mundo”, afirma.



As informações constam em matéria da jornalista Tatiane Queiroz, do G1/MS

continua após publicidade