Geral

Ocupações mobilizam mais de 500 famílias ligadas ao MST

Da Redação ·

Em Pernambuco, cerca de 550 famílias ligadas ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) participaram de três ocupações e uma reocupação no interior do Estado, ontem,  marcando o início a Jornada Nacional de Lutas por Reforma Agrária, conhecida como Abril Vermelho, em memória dos 19 trabalhadores rurais sem terra assassinados no Massacre de Eldorado de Carajás, que ocorreu em 17 de abril 1996.  

continua após publicidade

De acordo com informações da Polícia Militar, do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e do próprio MST não foram registrados confrontos durante as ações. A primeira ocupação aconteceu, no início da manhã do domingo, no município de Maraial, na Mata Sul do Estado, com a invasão de duas propriedades, pertencentes ao engenho São Salvador.  

Na sequência, outras 300 famílias tomaram as terras da fazenda Salgadinho, na cidade de Tacaratu, no sertão. Em Caruaru, localizado no Agreste, 130 famílias, participaram da reocupação do engenho Poço das Antas, que havia sido ocupado pela primeira vez pelo MST em 2000 e logo em seguida reintegrado pela Justiça aos proprietários da Usina Bulhões.  

continua após publicidade

De acordo com a coordenação estadual do MST, as ocupações seguirão até o final do mês em várias regiões do Estado. Fontes ligadas ao movimento informam que há pelo menos outras 25 áreas mapeadas. Muitas pertenceriam a políticos pernambucanos. Segundo o MST, 57% das grandes propriedades cadastradas no órgão seriam improdutivas. A informação, no entanto, não foi confirmada pelo Incra.  

"Há um total de 411.657 hectares de terras improdutivas no Estado, área suficiente para assentar as 23 mil famílias que vivem hoje acampadas em Pernambuco", afirmou, em nota, o MST. A pauta nacional do MST reivindica o assentamento das 90 mil famílias acampadas em todo o País; a atualização dos índices de produtividade; garantia de recursos para as desapropriações de terras; e investimentos públicos nos assentamentos (crédito para produção, habitação rural, educação e saúde).