Geral

Terreno cedido pela CSN está contaminado com substâncias cancerígenas

Da Redação ·





Por Diana Brito

RIO DE JANEIRO, RJ, 4 de abril (Folhapress) - Um terreno cedido pela CSN (Companhia Siderúrgica Nacional) para a construção de casas de funcionários, em Volta Redonda, está contaminado com substâncias cancerígenas, de acordo com a Secretaria de Estado do Meio Ambiente do Rio de Janeiro.

O local fica na região sul-fluminense do Rio, a cerca de 200 metros do rio Paraíba do Sul. As informações foram divulgadas hoje pela secretaria após obter resultado de análise do solo feita pelo Inea (Instituto Estadual do Ambiente).

De acordo com o Inea, ficou comprovado, por meio da análise do solo, que cerca de 750 pessoas que moram em 200 casas na região estão expostas a substâncias perigosas ao organismo, como metais pesados (cádmio e cromo total) e ascarel, substância cancerígeno.

O número de moradores que tem contato com essas substâncias pode ser ainda maior porque há 2.257 moradores no bairro de Volta Grande 4, que fica junto ao terreno cedido pela CSN.

Segundo a secretaria, Volta Grande 4 tem 255 mil metros quadrados, enquanto a área onde foi identificado o maior grau de infectação tem 10 mil metros quadrados, o que equivale a um hectare.

O secretário de Meio Ambiente, Carlos Minc, disse que as análises do Inea mostram que o terreno apresenta contaminação em nível intolerável à saúde das pessoas que moram ali. Ele disse ainda que a CSN pode ser multada em até R$ 50 milhões, mas que esse valor será confirmado apenas na próxima segunda-feira, após uma reunião com diretores do Inea.

Coquetel de lixo químico

"Talvez seja o assunto mais espinhoso dos últimos anos. Tem um monte de gente morando em cima de um coquetel de lixo químico. A gente não tem certeza se eles [moradores da região] estão doentes ou não", disse Minc.

A secretaria também ajuizou ontem uma ação criminal contra a CSN na 3ª Vara Cível da Comarca de Volta Redonda. A empresa deverá responder por sonegação de informações e risco de contaminação de pessoas, do solo e lençol freático.

As investigações sobre a contaminação do solo na área surgiu após uma denúncia do Ministério Público Estadual há cerca de um ano. A CSN contratou uma empresa particular, a Mikol, para fazer uma análise do solo. O estudo, que ficou pronto em outubro do ano passado, "amenizava" os riscos de contaminação, segundo Minc.

Entretanto, a primeira parte da análise feita pelo Inea revelou que substâncias enterradas sem proteção trazem um "risco alto" para os moradores da região.

A Secretaria do Meio Ambiente disse ter informado ontem o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, e a Secretaria de Estado da Saúde para fazer exames e para saber se as pessoas que moram na área estão de fato contaminadas.

As pessoas podem se contaminar com os materiais tóxicos por meio da água, frutas e outros alimentos ingeridos. O secretário do Meio Ambiente informou que há plantações de acerola, laranja e coco para consumo dos moradores no terreno contaminado.

Procurada pela reportagem, a CSN diz que analisa o caso para depois se manifestar.
 

continua após publicidade