Geral

Promotoria pede pena de morte para atirador que matou 12 em cinema

Da Redação ·





SÃO PAULO, SP, 1 de abril (Folhapress) - A Promotoria do Estado do Colorado pediu hoje a pena de morte para James Holmes, 24, que confessou ser o atirador que atacou um cinema de Aurora, em 20 de julho de 2012. Na ação, 12 pessoas morreram e outras 58 ficaram feridas.

O pedido foi feito uma semana após a defesa de Holmes ter requisitado a prisão perpétua ao atirador, em troca da confissão do crime. Os promotores rejeitaram a proposta, dizendo que não seria uma troca considerada séria devido à gravidade do incidente.

O jovem, que era estudante de mestrado da Universidade do Colorado, é acusado de 12 homicídios dolosos qualificados e 58 lesões corporais dolosas -com a intenção de matar. Os crimes aconteceram na noite de estreia de "Batman - O Cavaleiro das Trevas Ressurge" nos Estados Unidos.

Na ocasião, Holmes se fantasiou de Coringa, em meio a outros fãs do personagem dos quadrinhos também fantasiados, e entrou na sessão com um fuzil AR-15, uma escopeta de calibre 12 e uma pistola.40 escondidos em um sobretudo.

Após atirar uma bomba de gás no cinema, no início da sessão, ele abriu fogo e atingiu os 70 espectadores, que tentavam fugir dos disparos. Horas depois do ataque, Holmes foi encontrado com parte da fantasia dentro de um carro no estacionamento do shopping.

Além do ataque ao cinema, ele fez uma armadilha com bombas dentro de seu apartamento para evitar que fossem encontradas provas do incidente. Se os explosivos fossem detonados, seriam capazes de destruir todo o quarteirão onde morava. Tanto as armas quanto as bombas foram compradas pela internet.

Atiradores

O caso do cinema de Aurora foi um dos 12 grandes ataques de atiradores em território americano no ano passado. O mais grave deles foi a morte de 26 pessoas, incluindo 20 crianças, na escola Sandy Hook, em Newtown, no Estado de Connecticut, em 14 de dezembro.

Holmes é um dos poucos atiradores que foram presos e serão julgados pelo ataque. Os outros foram mortos pela polícia ou se suicidaram, como foi o caso de Adam Lanza, 20, que abriu fogo na escola de Newtown.

A frequência desse tipo de ataque abriu a discussão sobre o controle de armas nos Estados Unidos, ganhando o apoio do presidente Barack Obama. O mandatário pediu que seja enviado ao Congresso um pedido de revisão da lei para restringir o acesso a armamento pesado.

No entanto, a medida encontra resistência de grupos mais conservadores e associações de atiradores, que consideram que a nova lei fere a Constituição, que regulamenta o porte de armas nos Estados Unidos.
 

continua após publicidade