Geral

Rebeldes dizem que destruíram avião com armas vindas do Irã

Da Redação ·

Por Diogo Bercito JERUSALÉM, ISRAEL, 29 de março (Folhapress) - Um porta-voz da oposição síria afirmou hoje que comandantes da Guarda Revolucionária Iraniana foram feridos em um incidente nesta semana, quando o Exército Livre da Síria (ELS) destruiu um avião que trazia armamentos provindos do Irã. As informações foram divulgadas pela rede de TV Al Arabiya, e não foram confirmadas pela Síria ou pelo Irã. Opositores afirmam que o ELS atingiu esse avião na quarta, com equipamento antiaéreo, conforme ele aterrissava no aeroporto internacional de Damasco. A agência de notícias estatal síria Sana, no entanto, afirmou em nota que "os relatos da mídia sobre o aeroporto, divulgados por veículos que são cúmplices do derramamento de sangue na Síria, não são verdadeiros". Ativistas colocaram no site YouTube um vídeo -cuja autenticidade não pôde ser verificada- mostrando um avião envolto em chamas. Não é possível confirmar independentemente as informações a respeito do conflito na Síria, devido às restrições impostas pelo regime de Bashar Assad. O Irã é um aliado da Síria na repressão violenta à insurgência. Os EUA receiam que o país persa esteja transportando armamentos para a Síria através do espaço aéreo iraquiano, com consentimento do governo do Iraque. A preocupação foi reforçada durante uma visita surpresa de John Kerry, secretário de Estado americano, em que pressionou o governo para que impeça e inspecione os voos "problemáticos". Avanço As forças da insurgência na Síria capturaram, ontem, a cidade de Dael, após horas de combate violento em que morreram 38 pessoas, de acordo com os ativistas da oposição. Dael está localizada no caminho entre Damasco e Deraa, próxima da fronteira com a vizinha Jordânia. Entre os mortos, nove eram civis, de acordo com o Observatório Sírio para Direitos Humanos, baseado em Londres. Os confrontos pela queda do ditador Bashar Assad, iniciados em março de 2011 na mesma província de Deraa, já deixaram mais de 70 mil mortos, nas estimativas da ONU. Mais de um milhão, também, deslocados para países vizinhos. A Jordânia recebeu sozinha mais de 460 mil sírios, o que hoje equivale a 10% de sua população. As condições de vida nos campos de refugiados têm motivado protestos, como os relatados durante esta semana na Turquia. A região de Deraa, onde está localizada a cidade tomada ontem pelos insurgentes, é considerada estratégica, por ser uma via de acesso a Damasco.  

continua após publicidade