Geral

Secretário de Estado dos EUA chega a Bagdá em visita surpresa

Da Redação ·





SÃO PAULO, SP, 24 de março (Folhapress) - O secretário de Estado dos Estados Unidos, John Kerry, chegou hoje de surpresa a Bagdá em sua primeira viagem ao Iraque desde que assumiu o cargo em fevereiro, informou a emissora de televisão estatal iraquiana "Al-Iraquiya".

Kerry aterrissou na capital iraquiana após ter acompanhado nos últimos dias o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, em sua viagem pelo Oriente Médio, que o levou a Israel, Palestina e Jordânia.

Kerry deverá se reunir com dirigentes iraquianos, entre eles o primeiro-ministro, Nouri al-Maliki, para analisar a crise política que atravessa o país árabe.

Além disso, está previsto que o chefe da diplomacia americana visite a região autônoma do Curdistão, no norte do Iraque, e se reúna com seu presidente, Massoud Barzani.

Está previsto que o Iraque realize eleições nas províncias no próximo dia 20 de abril, exceto nas três do Curdistão do Iraque. O governo iraquiano também decidiu recentemente atrasar o pleito nas províncias de Al-Anbar (oeste) e de Ninawa (norte), com maioria sunita.

Nestas duas províncias ocorreram protestos contra o Executivo do xiita Maliki e o assassinato de pelo menos quatro candidatos eleitorais.

A visita de Kerry coincide com o décimo aniversário da invasão americana no Iraque, que levou à derrubada do regime de Saddam Hussein em abril de 2003.

No dia 18 de dezembro de 2011, as tropas americanas se retiraram definitivamente do país, cuja transição à democracia é assolada por atentados, corrupção, instabilidade política e falta de serviços básicos.

Antes de viajar ao Iraque, o secretário de Estado americano manteve reuniões de trabalho com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, e com o presidente palestino, Mahmoud Abbas, para tentar encaminhar o processo de paz.

Kerry também se reuniu ontem em Amã com o ministro das Relações Exteriores da Jordânia, Nasser Yudeh, com quem abordou o processo de paz entre israelenses e palestinos, e o desenvolvimento do conflito na Síria.
 

continua após publicidade