Geral

Acusados por morte de estudante em Higienópolis são condenados a mais de 33 anos

Da Redação ·

SÃO PAULO, SP, 23 de março (Folhapress) - A Justiça de São Paulo condenou a mais de 33 anos de prisão os três acusados de matar a adolescente Caroline Silva Lee, 15, após uma tentativa de assalto, no bairro de Higienópolis, região central de São Paulo, no dia 21 de outubro de 2012. A jovem foi assassinada após reagir a um assalto na rua Sabará. A estudante, que estava com o seu namorado, se recusou a entregar a bolsa que carregava e um dos assaltantes disparou dois tiros no pescoço da jovem, que chegou a ser socorrida, mas não resistiu aos ferimentos e morreu. O julgamento aconteceu na tarde de ontem no Fórum da Barra Funda, na zona oeste de São Paulo. Os três réus foram interrogados e mais seis testemunhas foram ouvidas pelo juiz Rafael Henrique Janela Tamai Rocha. Em sua decisão, o juiz Rocha condenou os réus a cumprir pena de 33 anos, cinco meses e dez dias de reclusão em regime fechado, além do pagamento de multa pelos delitos de roubo e latrocínio. Eles também foram condenados a cinco meses de detenção pelo crime de resistência. Na época, os acusados Marcos Vinícios Correia Gomes, Alex Rodrigues Venancio e Claudinei Avelino Modesto confessaram o crime logo após serem presos. O trio já tinha passagens pela Fundação Casa por tráfico, roubo e furto, respectivamente. Em depoimento à polícia, o trio debochou ao falar da vítima e um dos acusados chegou a dizer que era o que acontecia com quem reagia. Crime Caroline Silva Lee e seu namorado voltavam a pé de uma festa pela rua Sabará, próxima à casa da jovem, quando foram abordados por três suspeitos armados, em um Fiat Idea, que anunciaram o assalto. De acordo com a polícia, Caroline demorou para entregar sua mochila e o celular aos criminosos, que atiraram duas vezes no pescoço da jovem. Os bandidos fugiram no carro. O namorado da vítima ligou para a polícia, que localizou e perseguiu o veículo. Durante a fuga, os bandidos bateram o veículo em outro carro no cruzamento entre a avenida 23 de Maio e a rua Arsênio da Silva, no Paraíso (zona sul). Os três foram presos cerca de dez minutos após o crime durante troca de tiros com policiais militares na avenida 23 de Maio. Com eles estavam os celulares do casal e a máquina fotográfica da vítima. Os policiais também apreenderam o Fiat Idea, que tinha sido roubado uma semana antes do crime. "Ela não reagiu", disse à polícia o namorado de Caroline, Jardel Alves do Nascimento. Na época, Jardel disse, também, que faltou ajuda quando tentava evitar a morte da garota. No HC (Hospital das Clínicas), diz ele, ela teve de esperar por socorro. Na mochila de Caroline havia dois celulares, uma máquina fotográfica, um MP5 e sua agenda. Ela cursava o segundo ano do ensino médio no colégio São Luís, na região da avenida Paulista, graças a uma bolsa de estudos. Queria se tornar acupunturista, como o pai, que morreu há sete anos.  

continua após publicidade