Geral

Obama visita Cisjordânia e é recebido com protestos de palestinos

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Obama visita Cisjordânia e é recebido com protestos de palestinos
fonte: divulgação
Obama visita Cisjordânia e é recebido com protestos de palestinos

SÃO PAULO, SP, 21 de março (Folhapress) - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, foi recebido hoje pelo presidente da ANP (Autoridade Nacional Palestina), Mahmoud Abbas, com quem deverá discutir o processo de paz com Israel. A visita foi marcada por protestos perto da sede do governo palestino, na Cisjordânia.

Obama chegou a Ramallah de helicóptero e desceu em uma área próxima à esplanada da Muqataa, a sede da ANP, com forte esquema de segurança que incluiu o isolamento da região. Porém, cerca de 150 palestinos protestaram contra a presença do americano, considerado "persona non grata".

Além de Abbas, o americano foi cumprimentado pelo chefe de governo palestino, Salam Fayyad, os membros do Conselho de Ministros e outros altos funcionários. O clima foi de seriedade, diferente da visita em Israel, em que Obama brincou e sorriu com o presidente Shimon Peres e o premiê Binyamin Netanyahu.

Os dois passaram em revista às tropas e se reuniram em um almoço de trabalho. Mais tarde, deverá ser feita uma entrevista coletiva.

A cerimônia foi transmitida ao vivo pela televisão oficial da ANP, que governa na Cisjordânia. No entanto, a visita não foi transmitida na faixa de Gaza, que é governada pelo grupo radical Hamas, opositor às negociações com os Estados Unidos.

Em comunicado, o primeiro-ministro de Gaza, Ismail Haniyeh, disse que não espera "nenhum resultado desta visita". "Não esperamos que Obama vá mudar a equação política no terreno. Não acreditamos que a política americana vá pôr fim à ocupação israelense".

Horas antes da visita à Cisjordânia, dois foguetes vindos de Gaza caíram na cidade de Siderot, no sul de Israel, sem deixar feridos. A região não será visitada por Obama desta vez, mas o americano esteve na cidade em 2008, durante a campanha eleitoral para seu primeiro mandato.
 

continua após publicidade