Geral

Custos ao SUS com obesidade chegaram a R$ 488 milhões

Da Redação ·
Custos ao SUS com obesidade chegaram a R$ 488 milhões
fonte: Arquivo
Custos ao SUS com obesidade chegaram a R$ 488 milhões

BRASÍLIA, DF, 19 de março (Folhapress) - O custo com internações e tratamentos relacionados à obesidade na rede pública apenas no ano de 2011 pode ter chegado próximo de R$ 490 milhões. Um quarto desse valor está relacionado à obesidade grave.

É o que estima um estudo conduzido pela UnB (Universidade de Brasília) e divulgado hoje pelo Ministério da Saúde.

A estimativa leva em conta tanto o atendimento de problemas diretamente relacionados à obesidade quanto cuidados com 26 doenças relacionadas ao excesso de peso -por exemplo, diabetes, hipertensão arterial e diversos tipos de câncer.

"Se considerássemos só o custo da obesidade em si teríamos R$ 32 milhões, que é o custo da cirurgia bariátrica. Mas, a partir de dados epidemiológicos, em que avaliamos a associação a doenças e o percentual de casos de diabetes e hipertensão devidos à obesidade, a gente conseguiu chegar a um custo mais alto e verificar o quanto a obesidade onera o SUS", disse Michele Lessa, autora da pesquisa.

Do custo total de R$ 488 milhões estimado para 2011, R$ 166 milhões estão ligadas a doenças isquêmicas do coração, R$ 30 milhões ao câncer de mama e R$ 27 milhões à diabetes.

Por terem maior participação na população brasileira com obesidade grave (1,14% das mulheres contra 0,44% dos homens), as mulheres tiveram maior participação neste custo -cerca de R$ 328 milhões.

O ministério estima que cerca de 15% dos brasileiros sejam obesos. Como comparação, esse percentual chega a 20,5% na Argentina, 25,1% no Chile e 27,6% nos Estados Unidos.

O ministro Alexandre Padilha (Saúde) afirmou que esse "é o momento para agir se não queremos atingir níveis tão graves, como o dos Estados Unidos, do Chile ou mesmo da Argentina".

Apesar de a fotografia ser melhor no Brasil, o país tem registrado um aumento médio de 0,76% na taxa de obesidade a cada ano. A obesidade é definida por um IMC (Índice de Massa Corporal) a partir de 30.

Já o excesso de peso (definido por IMC entre 25 e 30) tem crescido, em média, 1,05% a cada ano. A autora da pesquisa alertou para o crescimento mais acelerado ainda da obesidade grave (IMC a partir de 40).

"A obesidade grave, mórbida, vem num crescimento 4,3% mais rápido que a obesidade em si. Além da epidemia de obesidade, os mais graves estão com aumento de prevalência maior", disse durante coletiva hoje.

E o caminho, continuou ela, não deve passar pela responsabilização do obeso. "O Estado tem responsabilidade na criação de ambientes saudáveis".

Nova linha de cuidados

Junto com a apresentação da pesquisa, o ministério lançou uma nova linha de cuidados voltada à obesidade, com a inclusão de novas cirurgias, a redução da idade para realizar a cirurgia bariátrica (de 18 para 16 anos) e o reajuste dos procedimentos em até 20%.

Em 2012, foram realizadas 6.029 cirurgias bariátricas no SUS. Em 2008, foram feitas 3.195. Segundo Patrícia Jaime, coordenadora de alimentos e nutrição do ministério, a nova linha de cuidados pode resolver o que chamou de "lacunas assistenciais".
 

continua após publicidade