Geral

Força Nacional de Segurança deve ajudar Estado no combate aos ataques

Da Redação ·

SÃO PAULO, SP, 13 de fevereiro (Folhapress) - Na tentativa de conter a onda de ataques em Santa Catarina, o governador do Estado, Raimundo Colombo (PSD), deve aceitar o auxílio da Força Nacional de Segurança. As informações são da Agência Brasil. Segundo informações da assessoria de imprensa do governo catarinense, Colombo está em "contato permanente" com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e detalhes da operação, como número de homens a serem enviados e formas de atuação das tropas, ainda serão definidos. Na semana passada, o ministro colocou a Força Nacional à disposição do Estado, além da Polícia Federal e da Polícia Rodoviária Federal, mas o reforço foi descartado pelo governador que alegou, em nota, não ter recorrido às tropas federais por "questões técnicas", ressaltando contar com "o efetivo necessário". Para conter a violência, Raimundo Colombo havia decidido transferir pelo menos 20 presos de alta periculosidade para penitenciárias federais, aceitando outra oferta do Ministério da Justiça, segundo o qual há 300 vagas disponíveis para esse tipo de movimentação. De acordo com o último relatório da Polícia Militar, foi registrado mais um ataque no início da manhã de hoje em Florianópolis. Com a ocorrência, o total de atentados chega a 96 em 30 municípios catarinenses. A série de ataques violentos em Santa Catarina ocorre desde o dia 30 de janeiro. As autoridades trabalham com a hipótese de as ações estão relacionadas a excessos cometidos por agentes penitenciários em uma operação pente-fino no presídio de Joinville, no dia 18 de janeiro. As imagens do circuito interno mostram agentes penitenciários utilizando spray de pimenta e disparando balas de borracha, mesmo com os presos sob controle. Durante o feriado de Carnaval, equipes do Departamento de Administração Prisional fizeram operação simultânea nas unidades prisionais do Estado para reforçar os procedimentos de segurança, acompanhar os horários de entrada e saída de visitas, de banho de sol e outras rotinas. Segundo o diretor do Deap, Leandro Lima, a visita das equipes às unidades ocorre em vários feriados prolongados para garantir a segurança dos presos, da população e dos agentes penitenciários. Lima diz que, desta vez , contou com o dobro de agentes. "Elas sempre acontecem em feriados, mas por causa da situação que o Estado vive [em função da onda de violência] as visitas tiveram reforço de profissionais", disse, acrescentando que a operação tem caráter preventivo.  

continua após publicidade