Geral

Documento autoriza morte de americano que é "ameaça

Da Redação ·





SÃO PAULO, SP, 5 de fevereiro (Folhapress) - Pela primeira vez, um documento que respalda a execução, sem julgamento, de americanos supostamente ligados à Al Qaeda foi tornado público nos EUA.

O texto de 16 páginas do Departamento de Justiça -divulgado pela rede NBC News- determina que é legal matar um cidadão americano se um "um alto funcionário" decidir que o alvo "representa uma ameaça iminente de ataque violento contra os EUA".

Não é necessário, portanto, haver dados de inteligência que indiquem sua associação com a Al Qaeda ou com um plano de ataque aos EUA.

Em setembro de 2011, a justificativa já havia sido usada pelo governo para defender a morte do clérigo radical Anwar al-Awlaki num ataque com drones no Iêmen. Mas só agora a orientação aparece num documento oficial.

O texto determina que, além de constatar a "ameaça iminente" -critério subjetivo o suficiente para gerar ações controversas--, seria preciso determinar que não há condições de capturar a pessoa e que a ação será conduzida "de maneira consistente com os princípios da lei da guerra".

O assunto volta à tona na semana em que será sabatinado no Senado o indicado por Obama para assumir a CIA (inteligência), John Brennan, um dos "arquitetos" da campanha do uso de drones.
 

continua após publicidade