Geral

EUA doam medicamento para ajudar feridos em incêndio na Kiss

Da Redação ·





Por Felipe Bächtold

PORTO ALEGRE, RS, 1 de fevereiro (Folhapress) - Uma carga do medicamento utilizado para tratar intoxicações com cianeto, gás que foi liberado no incêndio da boate Kiss e que pode ter matado a maior parte das vítimas, deve chegar amanhã ao Rio Grande do Sul.

O Ministério da Saúde, por meio da sua assessoria de imprensa, disse que 140 kits de hidroxicobalamina foram doados pelo governo dos Estados Unidos. O valor do medicamento não foi informado.

Anteontem, a Folha de S.Paulo mostrou que o gás produzido na queima do revestimento acústico da casa noturna se assemelha ao liberado em câmaras nazistas, um dos venenos mais letais.

Hoje, pela primeira vez, pacientes que tinham sido transferidos à capital gaúcha por serem considerados em situação mais delicada, receberam alta. Cinco deixaram hospitais de Porto Alegre e puderam voltar para casa.

O número de feridos internados na capital e outras quatro cidades (Canoas, Santa Maria, Caxias do Sul e Itajaí) caiu de 138 para 119.

Os casos mais problemáticos, envolvendo pacientes que ainda necessitam ventilação mecânica, somam 59.

Desde o dia da tragédia, no domingo, duas vítimas que estavam internadas em Porto Alegre morreram.

O secretário da Saúde do RS, Ciro Simoni, que centraliza as informações sobre os feridos distribuídos pelo Estado, diz que há "uma boa evolução" da maioria dos pacientes. "Mas, no meio desses, há alguns pacientes [em estado] muito grave", afirma.

Queimados

Simoni diz que os procedimentos que usam pele doada aos feridos com queimaduras externas graves só serão providenciados mais adiante. É preciso esperar a estabilização desses pacientes.

A Central de Transplantes do RS já recebeu doações de outros Estados e de países vizinhos, como Argentina, Chile e Uruguai.

Queimaduras externas afetam cerca de 20 pacientes da capital, em diversos graus.

Um outro medicamento, chamado heparina spray, será importado pelo governo federal para tratar casos de queimaduras graves de pele.

A substância reduz riscos e incômodos, como dor e sangramentos.

O governo não informou a origem do remédio e quando ele chegará ao Brasil.
 

continua após publicidade