Geral

Protesto-SP - (Atualizada)

Da Redação ·

Motoboys fecham Paulista e apontam falta de vaga para curso




SÃO PAULO, SP, 1 de fevereiro (Folhapress) - Um grupo de motoboys ainda bloqueava os dois sentidos da avenida Paulista, na região central de São Paulo, por volta das 13h40 de hoje, em protesto contra o início da fiscalização das novas regras para o exercício da profissão.

O grupo estava concentrado na altura da rua Augusta, em frente ao gabinete da Presidência da República, e apenas uma faixa de cada lado da avenida estava liberada para o tráfego. A Polícia Militar aponta que o total de motoboys no local é de 2.000, já o Sindimoto (sindicato da categoria) apontava que eram 10 mil.

A categoria espera conseguir marcar uma reunião com representantes da presidência para pedir o adiamento das novas regras, que começam a ser fiscalizadas amanhã. "Falta [vaga] para os cursos e regulamentação por parte do municípios. Tudo isso complicou o trâmite", afirmou o presidente do sindicato, Gilberto dos Santos.

Segundo o Detran, apenas 21 mil dos 500 mil profissionais do Estado de São Paulo já fizeram o curso obrigatório. Outras exigências são o uso de colete com faixas reflexivas e trafegar com a motocicleta com os equipamentos de segurança como antena corta-pipa e protetor de pernas.

Trânsito

Os manifestantes começaram o protesto por volta das 10h, na rua Doutor Eurico Rangel e passaram pela avenida dos Bandeirantes e pela 23 de Maio. Por volta das 13h40, as vias vias ainda tinham longos trechos de congestionamento em decorrência da passagem dos motoboys.

Na avenida dos Bandeirantes, eram 4 km de retenção no sentido marginal, entre os viadutos Jabaquara e Santo Amaro. Já na Paulista, a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) apontava 2,5 km no sentido Consolação, desde a praça Osvaldo Cruz até a Bela Cintra.

Em toda a cidade de São Paulo, havia 35 km de lentidão, o que representa 4% dos 868 km de vias monitoradas. O índice estava abaixo da média do horário, que é de 5,4%. A pior região era a zona sul, com 14 km de lentidão.
 

continua após publicidade