Geral

Ruralistas fazem paralisação contra expropriação de sede

Da Redação ·





SÃO PAULO, SP, 26 de dezembro (Folhapress) - Os produtores agropecuários das quatro principais entidades rurais da Argentina fizeram uma paralisação hoje contra a decisão do governo da presidente Cristina Fernández de Kirchner de expropriar o prédio da Sociedade Rural Argentina, em Buenos Aires.

O prédio, que fica no bairro de Palermo, abriga a maior feira agropecuária do país e é mantido pelos produtores. A tomada pelo governo pode provocar a volta do conflito no campo de 2008, quando Cristina limitou as exportações de soja, causando a maior crise de seu primeiro mandato.

A medida de força começou durante a madrugada e paralisou a produção no Mercado Central de Buenos Aires, principal entreposto de carne bovina do país. Nesta quarta, foram comercializadas metade das cabeças de gado de um dia útil normal.

O presidente da Sociedade Rural Argentina, Luis Miguel Etchevehere, afirmou que não descarta a extensão da paralisação e a adesão de outras categorias, como a de produtores de grãos. Ele ainda convocou um protesto amanhã na porta do prédio.

Em comunicado, a entidade disse que o protesto será contra "o avassalamento que sofre nossa entidade e a defesa dos valores republicanos e da Constituição Nacional". Ele diz que o governo deu apenas 30 dias para que o espaço fosse desalojado.

Por outro lado, as autoridades afirmam que a Sociedade Rural pagou "um valor insignificante" pelo prédio, que está ao lado dos chamados Bosques de Palermo, zona nobre portenha. A entidade pagou US$ 30 milhões de dólares em 1991, enquanto a Suprema Corte o avaliou em US$ 131,8 milhões.

Hoje, a pedra que identifica o prédio da Sociedade Rural amanheceu pichada com mensagens atribuídas ao movimento Juventude Peronista Evita, uma das associações mais próximas da presidente.
 

continua após publicidade