Geral

Casa Branca critica proposta republicana para corte de gastos

Da Redação ·





SÃO PAULO, SP, 20 de dezembro (Folhapress) - O porta-voz da Casa Branca, Jay Carney, disse hoje que o presidente Barack Obama pode não ter feito ainda sua oferta final nas discussões sobre o chamado abismo fiscal, mas não há ainda muito que ele possa fazer.

Carney disse que a oferta mais recente feita por Obama aos republicanos no Congresso, poderia ser apenas pouco modificada, pois "ele já foi além da metade do caminho".

Ele disse ainda que o chamado "plano B" dos republicanos é um "exercício de futilidade".

Em sua coletiva diária, Carney afirmou que existe uma oportunidade para um acordo para evitar o aumento de impostos e corte de gastos automáticos que vai acontecer a menos que os legisladores decidam algo diferente até que o ano acabe.

Carney afirmou que a opção proposta pelos republicanos, e pela qual o presidente da Câmara, o também republicano John Boehner, tem insistido, é um "exercício de futilidade de vários dias em um momento em que não podemos nos dar ao luxo de exercícios de futilidade".

"É um exercício de contagem de votos republicana que não vai resultar em nada para o povo americano", completou.

Ele disse que o Obama vetaria o plano se chegasse à sua mesa, mas duvida que isso aconteceria, já que a proposta não passaria no Senado, de maioria democrata.

O chamado abismo fiscal é o enxugamento de US$ 600 bilhões em dinheiro público previsto para o ano que vem. Esse enxugamento é fruto de uma combinação entre a extinção, no final de 2012, de uma série de "alívios fiscais", na forma de impostos e tributos menores, e a entrada em vigor, no início de 2013, de novos cortes novos de gastos públicos federais. Caso o enxugamento aconteça, é muito grande o risco de os EUA voltarem à recessão.
 

continua após publicidade