Geral

Aprovado fundo que ampara vítimas da violência doméstica

Da Redação ·





SÃO PAULO, SP, 18 de dezembro (Folhapress) - As mulheres que foram vítimas da violência doméstica e que, por essa razão, se separaram de seus companheiros poderão ter uma ajuda financeira a partir de R$ 622 por 12 meses. O projeto de lei foi aprovado hoje, em caráter terminativo, pela Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, e vai à apreciação da Câmara dos Deputados. As informações são da Agência Brasil.

A proposta cria o Fundo Nacional de Amparo à Mulheres Agredidas. Além da ajuda financeira, está previsto também o treinamento profissional das vítimas, geralmente dependentes financeiramente do ex-marido.

"O treinamento profissional terá o objetivo de facilitar a recolocação das mulheres no mercado de trabalho', disse o autor do projeto, senador Jayme Campos (DEM-MT).

O texto aprovado pelo Senado prevê que o fundo será constituído por 10% do recolhimento anual de multas penais; doações feitas por pessoas físicas e jurídicas, dedutíveis do Imposto de Renda; contribuições dos governos e organismos estrangeiros e internacionais; resultado de aplicações no mercado financeiro; e outros recursos que lhe sejam destinados.

Pelo projeto, o fundo será administrado pela Secretaria de Políticas para as Mulheres. Além disso, os contribuintes poderão deduzir as doações ao Fundo Nacional do Imposto de Renda devido.

Também foi definido que caberá ao Executivo regulamentar o benefício. Segundo Jayme Campos, 28,9% das brasileiras que vivem nas grandes cidades são vítimas de violência doméstica. No restante do país, o percentual cresce para 36,9%.

A relatora da proposta na CAE, senadora Vanessa Grazziotin (PC do B-AM), disse que o projeto "está voltado para o enfrentamento de um flagelo social brasileiro, que é a violência contra a mulher'.

O documento destaca também que a ajuda financeira e a capacitação profissional "irão significar não somente uma libertação econômica como também uma oportunidade para a reconstrução de suas vidas'.
 

continua após publicidade