Geral

Explosões atingem entrada do Ministério do Interior da Síria

Da Redação ·





SÃO PAULO, SP, 12 de dezembro (Folhapress) - A televisão estatal da Síria informou hoje que três explosões simultâneas atingiram a entrada do Ministério do Interior do país, na capital Damasco. O canal diz que houve mortos e feridos, mas não confirmou número.

O canal Al Manar, do Líbano, informou que quatro pessoas morreram e outras 20 ficaram feridas no ataque. Segundo testemunhas, as explosões aconteceram após um forte tiroteio na região da praça de Ummayad, onde fica o prédio governamental.

Com a explosão, as janelas e parte da fachada do prédio foram destruídos após a explosão de um carro-bomba e outros dois artefatos. Um buraco de dois metros foi aberto no local onde estava o veículo. Nenhum grupo reivindicou a ação.

Nos últimos meses, a capital síria sofreu grandes atentados contra prédios governamentais e áreas dominadas por partidários do regime, que as autoridades afirmam terem sido feito por terroristas, enquanto a oposição ao ditador Bashar Assad reivindica os ataques.

No dia 18 de outubro, o ministério foi alvo de uma moto-bomba, que explodiu sem causar danos materiais. O golpe mais grave ao governo foi em 18 de julho, quando quatro membros do alto escalão do regime foram mortos em uma ação contra um prédio de Damasco.

O último atentado na cidade aconteceu em Jaramana, bairro de maioria cristã e drusa, em 28 de novembro. A ação deixou 34 mortos e foi reivindicada pelo grupo Jabhat al Nusra, que diz ter vinculação com a rede terrorista Al Qaeda.

A organização foi incluída na lista de terroristas do governo americano e é uma das principais razões para que os países ocidentais não financiem o armamento dos rebeldes sírios contra o regime de Assad. Desde o início dos confrontos, pelo menos 40 mil pessoas morreram na Síria, segundo ativistas.

Armas incendiárias

Hoje, a organização Human Rights Watch afirmou que o regime sírio está usando armas incendiárias em áreas habitadas, como as regiões próximas a Damasco.

A entidade levantou a suspeita após ouvir testemunhas e ver vídeos de jornalistas. Eles disseram que as tropas do Exército aplicaram bombas de fósforo branco em duas cidades da periferia da capital, atingindo prédios e ferindo civis.

Embora o uso seja permitido em áreas não habitadas para criar nuvens de fumaça, o fósforo branco provoca queimaduras severas e problemas respiratórios e, por isso, seu uso é controlado e proibido em áreas habitadas ou em ataques a pessoas.

Muitos consideram o fósforo branco completamente proibido pela Convenção de Armas Químicas, que proíbe o uso como arma de substâncias químicas tóxicas que possam causar morte ou incapacitação de pessoas e animais.
 

continua após publicidade