Geral

Premiê britânico ordena investigação sobre pedofilia em lares galeses

Da Redação ·





SÃO PAULO, SP, 5 de novembro (Folhapress) - O primeiro-ministro britânico David Cameron ordenou hoje que seja aberta uma investigação sobre abusos sexuais cometidos por pedófilos em lares infantis no País de Gales, nos anos 70. Entre os supostos abusadores, está um político do Partido Conservador, ainda não identificado.

As denúncias chegaram a ser ouvidas no final da década de 90, mas, de acordo com uma vítima, o inquérito foi "incompleto".

Cameron é o atual líder do Partido Conservador e está visitando Abu Dhabi, capital dos Emirados Árabes Unidos. De acordo com ele, arquivos do governo central e do governo de Gales serão investigados. A atitude de Cameron é consequência de um apelo feito pelo encarregado de projetos infantis do País de Gales, Keith Towler, que pediu que um novo inquérito sobre essas acusações fosse feito.

"Pedofilia é um crime absolutamente odioso e abominável, e essas acusações são amedrontadoras. Elas não devem ficar sem uma solução, então estou tomando medidas para evitar isso", disse Cameron.

Towler afirma que Steven Messham, vítima dos abusos em dos lares infantis de Gales, contou a ele que várias denúncias foram "varridas para baixo do tapete" depois da investigação dos anos 90.

Messham, em entrevista à emissora britânica BBC, afirmou que os termos em que a investigação foi feita impediam que ele falasse sobre outros abusos, ocorridos fora do lar infantil. Messham diz que um político importante do Partido Conservador estava envolvido no caso.

De acordo com Cameron, ele está muito interessado em resolver o caso. Ele confirmou que Messham teria direito a um encontro com o ministro de Gales e pediu que se manifestem todos que possam contribuir com informações sobre os fatos.

Para Towler, a única maneira de entender tudo que aconteceu é iniciar um inquérito completo. "A não ser que se faça isso, sempre existirão suspeitas de que há pessoas tentando encobrir o caso. A sociedade necessita de transparência num caso desses."

Escândalo

O caso é chamado de "Waterhouse" porque o juiz galês que ouviu as denúncias no final da década de 90 se chamava Ronald Waterhouse. Na época, ele se encontrou com 240 supostas vítimas.

Messham diz que a polícia o chamou de mentiroso quando ele tentou denunciar os abusos, ainda nos anos 70.

De acordo com Messham, nos lares infantis o abuso sexual era comum e violento, mas não se restringia a esses locais. Nas noites de domingo, as crianças eram levadas a hotéis e vendidas entre os membros de um "clube" de abuso sexual. Um deles era um político do Partido Conservador.

O Reino Unido se chocou nos últimos meses com um escândalo parecido, envolvendo um famoso apresentador infantil da BBC, Jimmy Savile. Morto em 2011, ele é suspeito de ter abusado de cerca de 200 crianças ao longo de toda sua carreira na televisão.
 

continua após publicidade