Geral

Igreja diz que ex-mordomo do papa recusou vistoria de computador

Da Redação ·

SÃO PAULO, SP, 5 de novembro (Folhapress) - O Vaticano revelou hoje que Paolo Gabriele, 46, ex-mordomo do papa Bento 16, não autorizou por seis anos que técnicos olhassem seu computador. Ele foi condenado a um ano e meio de prisão por vazar documentos do pontífice. A informação foi revelada durante o primeiro depoimento de Claudio Sciarpelletti, um técnico em informática que é acusado de colaborar com Gabriele para difundir a correspondência confidencial de Bento 16. Durante os depoimentos, o advogado de defesa do técnico, Gianluca Benedetti, disse que os dois não eram amigos e que Sciarpelletti não se arriscaria para ajudar uma pessoa com quem ele não tivesse uma relação especial. Para o defensor, o técnico teria poucos motivos para participar do vazamento. No entanto, o Vaticano duvida da versão. Durante as investigações, o suposto cúmplice caiu em contradição sobre sua relação com o ex-mordomo e foi envolvido após a descoberta de uma caixa que pertenceria a Gabriele. Devido às contradições, o tribunal manteve as imputações, apesar de a defesa ter pedido para que fosse absolvido. O julgamento do técnico continuará no próximo sábado (10). Ele pode ser condenado a até um ano de prisão. Julgamento Sciarpelletti, funcionário da Secretaria de Estado, seria julgado nas mesmas sessões que Paolo Gabriele. No entanto, os dois casos foram separados a pedido da defesa. O ex-mordomo do papa foi condenado a um ano e meio de prisão. Por enquanto, não se sabe o tempo que levará o julgamento. O presidente do Tribunal, Giuseppe Gadanha Torre, manifestou há vários dias que o julgamento será "rápido, breve", já que o crime de que Sciarpelletti é acusado é "na verdade pouca coisa". Gadanha Torre detalhou que "mais do que outra coisas, trata-se do fato que dando versões distintas nos interrogatórios a que foi submetido, o técnico pôs obstáculos "de alguma maneira as investigações".  

continua após publicidade