Geral

Autoridades planejaram ataque ao Irã em 2010, diz TV

Da Redação ·

SÃO PAULO, SP, 5 de novembro (Folhapress) - O primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, e o ministro da Defesa, Ehud Barak, ordenaram aos chefes das Forças Armadas do país em 2010 que se preparassem para atacar as instalações nucleares do Irã, mas foram repelidos por outras autoridades. A revelação foi feita hoje por uma televisão israelense. Trechos de um documentário da Channel 2 de Israel mostraram que os então líderes do Exército, Gabi Ashkenazi, e do Mossad (serviço secreto israelense), Meir Dagan, se opuseram às ordens para elevar a alerta militar do país para o nível máximo, o que, na prática, significa que um ataque é iminente. Barak, entrevistado pelo programa, disse que Ashkenazi lhe explicou que o Exército não tinha capacidade operacional naquele momento para um ataque efetivo contra as instalações nucleares do Irã, o que não quer dizer que ele tivesse vetado a ordem. Os israelenses creem que o programa nuclear iraniano é voltado à produção de armas, o que Teerã nega. O documentário também revela que Ashkenazi confessou a pessoas próximas dele que achava possível atacar o Irã, mas que preferiu não fazê-lo porque considerava um erro estratégico. Para ele, elevar o nível de alerta das forças militares daria início a uma cadeia de eventos que poderia sair do controle e desenvolver um conflito muito maior. "Esse é um acordeão que produz música quando você toca", disse Ashkenazi. "Não é algo que se faça quando você ainda não tem certeza se quer uma guerra." Barak discordou da interpretação. "Não é verdade que criar uma situação em que as Forças de Defesa de Israel fiquem em estado de alerta por algumas horas ou alguns dias signifique que elas precisem estar assim permanentemente." Intrigas Dagan, que, desde que se aposentou do comando do Mossad, tem dito que é contra um ataque israelense unilateral ao Irã, acusou Netanyahu e Barak de ter tentado entrar em guerra ilegalmente, sem a aprovação governamental. Desde 2010, Netanyahu e Barak reviram suas posições de urgência quanto ao Irã. Em setembro, o primeiro-ministro disse às Nações Unidas que Teerã só estaria próxima de ter armas nucleares em 2013, embora tenha também pedido que a organização aja contra o país. O ministro da Defesa, por sua vez, disse na última semana que o atraso no programa nuclear iraniano dá mais tempo a Israel para planejar seus próximos passos. O programa ainda não foi ao ar, mas os trechos citados foram ao ar no Channel 2 como prévia. O porta-voz de Netanyahu disse que o premiê não fará comentários até que assista ao programa completo. Os outros envolvidos no documentário ainda não se pronunciaram.  

continua após publicidade