Geral

Violência-SP - (Atualizada)

Da Redação ·

Policial militar é morta na frente da filha Atenção, editores: favor corrigir a idade da filha da vítima: a menina tem 11 anos, e não 9. SÃO PAULO, SP, 4 de novembro (Folhapress) - A policial militar Marta Umbelina da Silva, 44, foi morta na frente da filha de 11 anos com pelo menos dez tiros nas costas. O crime ocorreu às 21h30 de ontem na frente de sua casa, na Brasilândia, zona norte de São Paulo. Segundo o comandante-geral da PM, Roberval França, ela é a primeira policial mulher morta com caraterísticas de atentado. Familiares dizem que a filha está traumatizada. A soldado voltava da casa da nora. A filha desceu do veículo para abrir o portão da garagem, mas não conseguiu. A mãe saiu para ajudá-la. Nesse instante, um homem, que a aguardava na rua, retirou Marta do carro, disparou tiros contra ela e fugiu em um Corsa preto. A filha começou a gritar pedindo socorro. A PM foi chamada. Ao chegarem ao local, os policiais souberam que a vítima já fora encaminhada por familiares para o Hospital Geral da Vila Penteado, também na zona norte. Marta apresentava ferimentos em diversas partes do corpo. Não resistiu e morreu e caminho do hospital. Ela estava há mais de dez anos na polícia e trabalhava na área administrativa do 18º Batalhão. Parentes, vizinhos e dezenas de policiais militares compareceram ao cemitério do Jaraguá (zona oeste), onde o corpo de Marta foi enterrado, às 18h30 de hoje. Amigos da corporação juntaram dinheiro para comprar uma coroa de flores e pagar o enterro da soldado. Como Marta estava de folga, sua família não tinha direito a assistência do Estado para enterrar o corpo, segundo o deputado estadual major Sérgio Olímpio (PDT). O caso foi registrado no 72º DP (Vila Penteado) e será investigado pelo DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa).  

continua após publicidade