Geral

Ex-soldado do Exército é condenado por matar colega acidentalmente

Da Redação ·

SÃO PAULO, SP, 31 de outubro (Folhapress) - O Superior Tribunal Militar (STM) negou hoje o pedido de perdão judicial a um ex-soldado do Exército que matou acidentalmente um colega de farda. O episódio ocorreu em junho de 2011, dentro do 4º Batalhão de Infantaria Leve, em Osasco, na Grande São Paulo. A defesa havia apelado ao STM após o ex-soldado ter sido condenado a um ano de prisão por homicídio culposo pelos juízes da Auditoria Militar de São Paulo. A pena foi mantida. De acordo com a denúncia do Ministério Público Militar, o ex-soldado estava ao lado de uma viatura enquanto manuseava uma pistola calibre 9 mm. A arma disparou acidentalmente, ricocheteou na mão do acusado e atingiu a cabeça de outro soldado que estava próximo. Os advogados sustentavam que não havia culpa, pois o ex-militar não tinha a intenção de ferir a si próprio nem atingir o colega. Ao rechaçar a apelação, o ministro José Américo dos Santos afirmou que o ex-soldado foi imprudente e negligente ao manusear a arma em um local que não era o adequado.  

continua após publicidade