Geral

Protestos estão proibidos para acabar com violência, diz ministro

Da Redação ·





SÃO PAULO, SP, 30 de outubro (Folhapress) - O governo do Bahrein proibiu protestos e comícios para garantir a segurança pública e acabar com a violência, de acordo com sua agência de notícias estatal. Há mais de um ano, a maioria xiita do país pede reformas políticas ao governo, que é sunita.

"Todas as aglomerações e marchas devem acabar e não serão permitidas novas atividades desse tipo até que a segurança e a estabilidade sejam reestabelecidas, para que se possa preservar a unidade nacional", disse o ministro do Interior, Rashed bin Abdullah al Khalifa, de acordo com as agências.

"Medidas legais serão tomadas contra todos aqueles que participarem ou convocarem esses eventos", acrescentou.

Al Khalifa disse que a violência com que terminam esses protestos atrapalham o tráfego e afetam o comércio e a economia do país, além de trazer prejuízos à propriedade privada.

Para ele, o partido oposicionista Wefaq, que lidera várias dessas manifestações, falhou em controlar seus participantes por diversas vezes.

A oposição já se disse contra a proibição, e afirma que ela é apenas uma maneira de tentar calar os descontentes com o governo. Ela diz que a medida é autoritária e configura uma violação de direitos fundamentais.

Desde abril, as autoridades do Bahrein têm tomado medidas mais duras contra os opositores. Os manifestantes reclamam do uso de espingardas de chumbo para reprimi-los, mas o governo não confirma que se utiliza desse instrumento.

Nos últimos meses, diversos ativistas da oposição foram condenados à prisão.

Violência

Em setembro, os manifestantes ocuparam a praça da Pérola, um dos pontos turísticos mais famosos do Bahrein. Eles pediam por mais democracia e um fim da discriminação contra os xiitas por parte da família real, que é sunita.

Entre fevereiro e março de 2011, ao menos 35 pessoas morreram em confrontos entre manifestantes e a polícia. Desde então, ativistas de direitos humanos no país dizem que mais 45 pessoas morreram em novos confrontos.
 

continua após publicidade