Geral

Todas as medidas de segurança do Enem foram reforçadas, diz mercadante

Da Redação ·

Por Flávia Foreque e Márcio Falcão BRASÍLIA, DF, 29 de outubro (Folhapress) - Na véspera da primeira edição do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) em sua gestão, o ministro Aloizio Mercadante (Educação) afirmou hoje que todo o sistema de segurança das provas foi reforçado. O exame, que terá a participação recorde de 5,7 milhões de candidatos, possui em seu histórico falhas como vazamento dos testes, problemas na impressão das provas e na aplicação do pré-teste das questões. "Todas as medidas [de segurança] que existiam foram reforçadas. Todo processo de impressão e pré-teste foram feitos no mais rigoroso padrão de segurança, sem nenhum incidente até esse momento", disse o ministro. Na presença de seu antecessor no cargo Fernando Haddad, que enfrentou as várias crises da prova, Mercadante demonstrou otimismo e minimizou as falhas no passado. Haddad, prefeito eleito de São Paulo visitou servidores do ministério na manhã de hoje e dedicou a eles a vitória, atribuída ao reconhecimento de sua gestão. Mercadante disse que está pronto para o desafio. "Nós agora vamos ter no final de semana que vem o Enem e o primeiro Enem a gente nunca esquece. Estamos com grande expectativa de fazer um bom exame e a experiência anterior ajudou a preparar esse novo Enem", afirmou. Ao final do encontro, Haddad desconversou sobre possíveis conselhos a Mercadante. "Ele já sabe muito mais do que eu. Eu já esqueci tudo. Já passou". Apagão Além de questões de segurança, o ministro descartou durante a realização das provas problemas de fornecimento de energia elétrica. Na semana passada, Estados do Norte e Nordeste passaram por um novo apagão elétrico. "Nós trabalhamos inclusive com a previsão de tempo antecipada para poder ter um plano de contingência, se necessário. Estamos muito atentos. Como é um feriado prolongado, vamos ter uma queda de consumo. Não é dia de atividade industrial, de pico de energia. Isso ajuda tanto no trânsito quanto na questão da oferta de energia", afirmou.  

continua após publicidade