Geral

Casal é encontrado morto em apartamento de alto padrão em Londrina

Da Redação ·

Por Wilhan Santin LONDRINA, PR, 24 de outubro (Folhapress) - O empresário do ramo de agronegócios e presidente da Cofercatu (Cooperativa dos Cafeicultores de Porecatu), José Otaviano de Oliveira Ribeiro, 69, e a nutricionista Tathiana Name Colado Simão, 35, foram encontrados mortos no apartamento onde moravam, em um prédio de classe média alta, no Gleba Palhano, um dos bairros mais nobres de Londrina (PR). Familiares do casal informaram à polícia que eles viviam juntos havia poucos meses e que Tathiana é mãe de uma criança - que não estava no local no momento do crime. Uma empregada e a mãe de Tathiana localizaram os corpos depois de entrarem no apartamento utilizando chaves reservas. Segundo o perito do Instituto de Criminalística do Paraná Rafael Greve, os corpos apresentavam rigidez cadavérica, indicando que as mortes ocorreram durante a madrugada. O delegado-operacional da 10ª Subdivisão Policial de Londrina, William Douglas Soares, informou que a polícia trabalha com "todas as hipóteses". "É um caso nebuloso, embora a princípio tenha características de passional. No local do crime, o quarto do casal, foram recolhidos três cápsulas e dois projéteis compatíveis com a pistola calibre 765 que estava próxima aos corpos", relatou Soares. Por volta das 18h de hoje, o delegado se dirigia ao Instituto Médico Legal de Londrina para acompanhar a necropsia dos corpos depois de ser informado que dois ferimentos compatíveis com orifícios de entrada de projétil haviam sido localizados na testa de Tathiana. Os primeiros exames feitos pela perícia, ainda no local das mortes, indicavam que Ribeiro foi morto com um tiro no peito. "Uma das nossas linhas de investigação era de que a mulher tivesse atirado no marido e depois cometido suicídio. Mas, se ela realmente tiver sido atingida duas vezes, descartaremos essa hipótese. Também investigaremos a possibilidade de uma terceira pessoa ter entrado no apartamento e cometido duplo homicídio. Nada é descartado por enquanto", detalhou o delegado. A pistola 765, que foi apreendida pela Polícia Civil, estava registrada legalmente no nome do presidente da Cofercatu. José Otaviano de Oliveira Ribeiro estava à frente da cooperativa - que tem mais de 700 cooperados - desde 1975. Familiares das vítimas não foram localizados para comentar o caso.  

continua após publicidade