Geral

Ex-médico mata oito crianças na China

Da Redação ·
 Mãe de uma das vítimas é retirada do local
fonte: G1.com
Mãe de uma das vítimas é retirada do local

Um ex-médico matou a facadas oito crianças e feriu outras cinco nesta terça-feira, em uma escola primária do leste da China, informou a imprensa estatal. O homem foi preso após o ataque, ocorrido às 7h20 (hora local), segundo a agência estatal Xinhua.
 

continua após publicidade

O homem atacou de manhã, quando os estudantes chegavam para as aulas. Ele se misturou com os pais nos portões da escola antes de subitamente mostrar sua faca e começar a esfaquear as crianças, segundo testemunhas entrevistadas pela televisão local
 

O suspeito é um ex-médico de uma clínica comunitária, com antecedentes de problemas mentais, disse um funcionário de sobrenome Wu, no escritório do governo da cidade de Nanping. O funcionário não deu seu nome completo, o que é comum entre servidores chineses.
 

continua após publicidade

Os estudantes feridos na Escola Primária Experimental da Cidade de Nanping estavam em situação estável, segundo um comunicado do escritório do Partido Comunista na cidade, citado pela Xinhua.
 

Oito crianças da escola foram assassinadas e cinco dos feridos estão no hospital, segundo Wu. Seis morreram no local do ataque. As idades das crianças não foram divulgadas, mas escolas primárias na China geralmente tem estudantes ente 6 e 12 anos.


O ataque foi controlado por pessoas que passavam no local e por guardas escolares. O homem foi identificado como Zheng Minsheng, de 41 anos. Ele havia deixado seu posto na clínica, segundo o funcionário, sem precisar a data.
 

continua após publicidade

Um ex-colega de trabalho, cuja identidade não foi revelada, disse à televisão de Fujian que Zheng era "uma pessoa difícil de lidar".
 

A escola, localizada na província de Fujian, foi fechada e os estudantes foram mandados para casa. A China sofreu vários ataques em escolas nos últimos anos, em geral relacionados a disputas pessoais ou a pessoas com distúrbios psiquiátricos.

As informações são da Associated Press.