Geral

Iranianos queimam bandeiras na Embaixada da França

Da Redação ·





SÃO PAULO, SP, 20 de setembro (Folhapress) - Cerca de cem iranianos queimaram bandeiras dos Estados Unidos, de Israel e da França em um protesto na porta da representação de Paris em Teerã, hoje, contra as ofensas ao profeta Maomé.

O ato fez referência à publicação de charges do profeta na edição de quarta do semanário "Charlie Hebdo" e o filme "A Inocência dos Muçulmanos", que satiriza a vida da principal referência dos islâmicos.

Apesar da queima das bandeiras e dos gritos contra os três países, chamados pelos iranianos de "demônios", o protesto foi pacífico e acompanhado pela polícia, que manteve o controle dos manifestantes.

Eles também pediram a saída dos embaixadores iranianos nos países considerados "ameaçadores", incluindo a França. Mais cedo, um grupo de religiosos fez uma manifestação em uma praça de Teerã.

Na quinta e na sexta passadas, os protestos se concentraram na embaixada da Suíça, que representa os interesses dos Estados Unidos no Irã.

Protestos

Hoje os protestos continuaram no Paquistão e no Afeganistão. Pelo menos 11 pessoas ficaram feridas em um protesto na capital Islamabad após confrontos entre manifestantes e a polícia.

Em Cabul, capital afegã, milhares de pessoas fizeram um novo ato contra as imagens, que são consideradas uma blasfêmia no islamismo.

Devido à violência, diversos países decidiram emitir alertas ou retirar suas equipes diplomáticas nos países de maioria muçulmana.

Os Estados Unidos pediram hoje que seus cidadãos evitem viagens ao Paquistão e, caso não possam adiar a visita, evitem aglomerações e os protestos.

O país, que já havia retirado o pessoal de países do Oriente Médio, decidiu fechar as representações da Indonésia, país com maior população islâmica do mundo, devido aos protestos.

A embaixada em Jacarta e os consulados em Surabaya, Medan e Bali permanecerão fechados por tempo indeterminado devido aos atos previstos para depois da oração do meio-dia de sexta-feira, dia sagrado para os islâmicos.
 

continua após publicidade