Geral

Defesa detalhou cotidiano dos Nardoni

Da Redação ·
 Isabella, de 5 anos, foi jogada do 6º andar do Edifício London
fonte: Divulgação
Isabella, de 5 anos, foi jogada do 6º andar do Edifício London

O criminalista Roberto Podval, advogado de defesa do casal Nardoni - acusado de matar a menina Isabella no dia 29 de março de 2008 -, mostrou ontem, durante o segundo dia de julgamento, como era o cotidiano da família. O objetivo do advogado é demonstrar como era o relacionamento entre os membros da família e o que de fato aconteceu, mostrando que "não havia razão para uma brutalidade tão grande com a Isabella", explica.

continua após publicidade

Para Podval, "ficou claro que antes disso tudo havia conflito entre famílias". "As famílias brigavam, tinham ciúmes, e a relação não era harmônica, mas é coisa que acontece no dia a dia de qualquer família", conclui o defensor de Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá, pai e madrasta da vítima e acusados do crime - eles alegam inocência. Isabella, de 5 anos, foi jogada do 6º andar do Edifício London, onde o casal morava.


Em relação ao pedido da defesa feito ontem, concedido pelo juiz, em manter a mãe de Isabella, Ana Carolina Oliveira, à disposição da Justiça, Podval se defendeu. "Eu não posso convocá-la para depor depois, por isso tive que pedir para que ela ficasse. É a vida de duas pessoas que está em jogo."

continua após publicidade

Sobre o pedido de acareação entre a mãe de Isabella e o casal Nardoni, Podval não confirmou se vai fazer o pedido. "Preciso ouvir o depoimento de Alexandre e se houver alguma contrariedade com o depoimento de Ana Carolina Oliveira, aí sim eu preciso colocá-los frente a frente", disse.

Atraso

O julgamento estava previsto para reiniciar às 9 horas de hoje, porém, não havia começado por volta das 10h05. Segundo informações do Tribunal de Justiça (TJ), os jornalistas que poderão assistir à sessão ainda não haviam sido liberados para entrar no Fórum de Santana, na zona norte da capital paulista.

continua após publicidade

Ao chegar ao fórum, carregando uma rosa branca na mão, a avó materna de Isabella, Rosa Maria Cunha de Oliveira fez um desabafo aos jornalistas presentes. "Minha neta está dentro do coração da gente. Eles nunca vão conseguir matar ela." A avó espera também que Alexandre e Anna Carolina Jatobá "sejam condenados por 25 a zero". Ela estava acompanhada do marido, José Arcanjo de Oliveira.

Segundo a avó, ela foi impedida de falar com sua filha, Ana Carolina, porque a mãe da vítima está à disposição da Justiça. De acordo com Rosa Maria, querem fazer uma acareação entre a mãe de Isabella e o casal Nardoni. Completando o desabafo, a avó disse que "Ana Carolina precisa ter o luto dela, porque por dois anos não conseguiu enterrar a filha".