Geral

Prefeito e empresários são denunciados em Londrina

Da Redação ·





Por Wilhan Santin

LONDRINA, PR, 17 de setembro (Folhapress) - O atual prefeito de Londrina, José Joaquim Ribeiro (sem partido), o ex-prefeito Homero Barbosa Neto (PDT), cassado em julho pela Câmara Municipal, seis agentes públicos e um grupo de empresários foram denunciados hoje pelo Ministério Público ao Tribunal de Justiça do Paraná sob acusação de montar um esquema de superfaturamento na compra de uniformes para alunos das escolas municipais.

Segundo o promotor Cláudio Esteves, R$ 3,8 milhões foram pagos de forma indevida às empresas fornecedoras dos uniformes. Em contrapartida, os empresários deram R$ 540 mil como propina. Esse valor seria repartido entre secretários municipais, Barbosa Neto e Joaquim Ribeiro, à época prefeito e vice-prefeito de Londrina, respectivamente.

A denúncia do Ministério Público diz que ocorreram três fraudes em licitações, entre 2010 e 2012. "Montou-se uma verdadeira quadrilha, liderada pelo ex-prefeito Barbosa Neto", disse Esteves. Acusado de formação de quadrilha, fraude em licitação, peculato, corrupção passiva, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro, com pena de reclusão que pode chegar a 186 anos, Barbosa Neto negou todas as acusações à polícia.

José Joaquim Ribeiro chegou a declarar aos promotores e delegados de polícia, na fase de inquérito policial, ter recebido R$ 150 mil de propina. Esse valor teria sido repartido em partes iguais entre ele, Barbosa Neto e um ex-secretário municipal. Porém, em entrevista na última semana, ele negou ter ficado com o dinheiro. "Fui apenas um mensageiro. Não fiquei com nenhum centavo", afirmou.

Depois de assumir ser pelo menos o responsável por distribuir parte da propina, Ribeiro pediu, no dia 13, licença médica do cargo de prefeito de Londrina por dez dias. A assessoria de comunicação da prefeitura não divulga qual seria o problema de saúde responsável pelo afastamento temporário.

Várias entidades de classe de Londrina pedem que ele renuncie imediatamente. A Acil (Associação Comercial e Industrial) ameaça fechar o comércio como forma de protesto. Por enquanto, o secretário de governo, Gervázio Martin Júnior, responde pela administração da cidade.

Eleito vice-prefeito pelo PSC em 2009, Ribeiro assumiu o cargo de prefeito após Barbosa Neto ser cassado, sob acusação de pagar vigias de uma rádio de sua propriedade com dinheiro público.

O caso

O suposto esquema teria começado em 2010. À época, a Prefeitura de Londrina dispensou licitação e aderiu à ata de registro de preços da Prefeitura de São Bernardo do Campo (SP), prática chamada de "carona", para a compra de uniformes escolares.

Em 2011, ocorreu outra licitação. Um terceiro processo licitatório, que ocorreria neste ano, foi suspenso pela Justiça devido a indícios de irregularidades. As três compras somadas chegariam a R$ 20 milhões.

Procedimentos foram abertos pelo Ministério Público e pela Polícia Civil para investigar as licitações. Várias empresas trabalhariam em conluio para vencê-las.

De acordo com a promotora Solange Vicentin, uma cópia da denúncia feita pelo Ministério Público do Paraná deve ser enviada ao Ministério Público em São Bernardo do Campo. Não é afastada a hipótese de que outras prefeituras do país tenham sido lesadas pelas mesmas empresas denunciadas no caso de Londrina.

Outro lado

O advogado de José Joaquim Ribeiro foi procurado pela reportagem, mas, ao atender o telefone, disse que estava em reunião e não podia falar.

Barbosa Neto, apesar da cassação, teve o registro de sua candidatura a prefeito de Londrina deferido pelo TRE. Ele está em campanha e não foi localizado pela reportagem.
 

continua após publicidade