Geral

Professora é investigada por suposto crime de racismo

Da Redação ·





Por Aguirre Talento

BELÉM, PA, 17 de setembro (Folhapress) - Uma professora universitária do Pará que ministra aulas sobre religião africana está sendo investigada sob suspeita de racismo contra um segurança da universidade.

A Polícia Civil apura se ela teria chamado o segurança de "macaco" e, por isso, investiga-a sob suspeita do crime de injúria. O caso ocorreu na última sexta-feira, em Belém, na UEPA (Universidade do Estado do Pará).

Segundo a universidade, o segurança Rubens dos Santos cumpria ordens ao manter fechado o portão da faculdade de ciências sociais a partir das 18h. A professora Daniela Cordovil chegou após esse horário para participar de um evento e foi impossibilitada de entrar.

Um vídeo da professora foi divulgado pela TV Liberal (afiliada da Rede Globo), gravado por um estudante que diz ter presenciado ela chamando o segurança de "macaco" e, posteriormente, provocou a professora a repetir o que havia dito antes.

No vídeo, o estudante diz a ela: "Fala agora". Ao que ela, irritada, responde: "Palhaço, tu é um macaco também, tu é um imbecil (sic)".

Esse vídeo será usado como prova pela Polícia Civil. De acordo com a assessoria de comunicação da polícia, porém, o segurança já prestou depoimento e relatou apenas ter sido chamado de "palhaço".

A professora também esteve na polícia para ser ouvida, mas permaneceu calada.

O ouvidor da UEPA, Lairson Cabral, pedirá a abertura de um processo administrativo-disciplinar para apurar o caso. Segundo ele, a professora, que é doutora em antropologia e docente da universidade desde 2010, pode ser punida com advertência ou suspensão.

A reportagem não localizou o segurança. A empresa Servisan, para a qual ele trabalha, diz não ter autorização para passar o seu contato. A UEPA informou que ele está de folga hoje.

O advogado da professora, Claudionor Cardoso, afirma que ela não está dando entrevista sobre o caso e que ela diz não se lembrar se chamou o segurança de "macaco". Segundo o advogado, o segurança proibiu a entrada dela, mas em seguida permitiu a entrada de outro grupo de pessoas, o que a irritou.
 

continua após publicidade