Geral

Polícia divulga fotos de suspeitos da morte de PM na Rocinha

Da Redação ·

RIO DE JANEIRO, RJ, 15 de setembro (Folhapress) - A Polícia do Rio divulgou na tarde de hoje as fotos de dois suspeitos de envolvimento na morte do policial militar Diego Bruno Barbosa Henriques, 25, na noite da última quinta-feira na favela da Rocinha, em São Conrado, zona sul. O soldado, que tinha apenas um ano de corporação, foi atingido por tiros de pistola 9mm durante uma patrulha a pé na localidade conhecida como 199. Ronaldo de Azevedo Oliveira da Cunha e Rafael da Silva de Barros foram procurados na comunidade nesta manhã durante uma operação que envolveu pelo menos 40 policiais da DH (Delegacia de Homicídios). Além dos dois mandados de prisão, eles executaram dois mandados de busca e apreensão. Segundo a assessoria da Polícia Civil, uma série de documentos foram recolhidos pelo delegado titular da DH, Rivaldo Barbosa, mas o teor não foi revelado. Na sexta-feira, PMs apreenderam um adolescente também suspeito da morte de Henriques. Com o garoto, segundo a polícia, havia carregadores e munições de pistola 9mm. Coquetel molotov Na madrugada de hoje um carro da PM foi atacado com um coquetel molotov na rua 2, da Rocinha. Policiais disseram que deixaram o veículo estacionado na rua para fazer uma ronda a pé no local. Segundo a PM, os policiais detiveram um homem suspeito em festa que acontecia em uma casa. Revoltados, amigos do rapaz arremessaram o coquetel molotov contra o carro da polícia e fugiram. Ninguém ficou ferido. O vidro da parte traseira do veículo estourou com o impacto da bomba. O homem que havia sido detido foi levado para a Delegacia da Gávea, mas acabou sendo liberado porque não tinha antecedentes criminais. Até o final da manhã, a polícia não tinha informações sobre o paradeiro dos suspeitos que arremessaram a bomba. Desde cedo, policiais civis da Delegacia de Homicídios do Rio realizam uma operação na favela para cumprir dois mandados de prisão contra suspeitos de matar Henriques. Até o meio-dia, não houve registro de confrontos. A favela da Rocinha está ocupada pela polícia desde novembro de 2011. A Secretaria Estadual de Segurança afirmou que deve instalar na comunidade uma UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) na próxima semana.  

continua após publicidade