Geral

Mauritânia extradita ex-chefe de inteligência de Gaddafi para Líbia

Da Redação ·





SÃO PAULO, SP, 5 de setembro (Folhapress) - O governo da Mauritânia extraditou hoje para a Líbia Abdullah al Senoussi, chefe do serviço secreto do ex-ditador Muammar Gaddafi, morto em outubro de 2011.

Senoussi estava preso desde 17 de março no país africano por falsificação de documentos, após chegar à cidade vindo de Casablanca, no Marrocos, com um passaporte falso.

O ex-chefe de inteligência foi entregue a uma delegação oficial líbia liderada pelo ministro da Justiça, encerrando a disputa de meses entre os países para entregar o funcionário, que é acusado de crimes contra a humanidade.

A extradição de Senoussi era pedida também pelo Tribunal Penal Internacional (TPI) de Haia, que expressou suas dúvidas de que o aliado de Gaddafi pudesse ser julgado com todas as garantias em seu país de origem.

Cunhado do ex-ditador, ele integrava o círculo de colaboradores mais próximos do "guia da revolução" líbia e considerado um dos pilares do regime.

Além de Líbia e do TPI, a França também pedia a extradição de Senoussi, acusado de envolvimento no atentado a um avião no Mali, em 1989, em que morreram 170 pessoas, sendo 54 franceses.
 

continua após publicidade