Geral

Livro sobre morte de Bin Laden já é o mais vendido na Amazon

Da Redação ·





SÃO PAULO, SP, 3 de setembro (Folhapress) - "No Easy Day", polêmico livro em que um ex-militar dos EUA narra a operação que resultou na morte de Osama bin Laden, já ocupa a primeira posição na lista dos mais vendidos no site Amazon.com, desbancando a popularíssima série erótica "Cinquenta Tons".

O livro sobre Bin Laden foi publicado sem autorização das Forças Armadas, o que levou o governo dos EUA a ameaçar um processo judicial contra seu autor, por violar segredos militares.

A versão em capa dura de "No Easy Day" só estará oficialmente disponível para venda nos EUA a partir da terça-feira, mas a lista da Amazon também inclui encomendas.

A autoria do livro foi atribuída a Mark Owen, mas posteriormente se soube que esse é o pseudônimo adotado por Matt Bissonnette, ex-agente do Seal, força especial da Marinha que perseguiu e matou Bin Laden em 2011 no Paquistão.

Bissonnette disse que decidiu escrever o livro para corrigir detalhes da operação que estavam sendo revelados por pessoas do governo. Seu advogado nega que ele tenha violado qualquer cláusula de confidencialidade do seu contrato com a Marinha.

Segundo a editora Penguin, Bissonnette foi o primeiro homem da operação que entrou no recinto onde estava Bin Laden e presenciou sua morte.

A Associated Press e o Huffington Post tiveram acesso antecipado a cópias do livro e informam na semana passada que a obra levanta dúvidas se Bin Laden representava, de fato, uma ameaça quando a equipe de Seals atirou nele, durante operação em 1º de maio de 2011, em Abbottabad no Paquistão.

Segundo Bissonnette, o atirador de elite à frente da equipe de Seals teria tirado na cabeça de Bin Laden e, só depois, eles teriam invadido seu quarto. O corpo do terrorista estaria caído no chão quando foi alvejado novamente. Ele não estaria armado.

Na versão do governo, após a invasão do compound, os Seals atiraram em Bin Laden após ele voltar pro quarto, porque eles teriam presumido que Bin Laden estaria armado.








 

continua após publicidade