Geral

Polícia Militar revê decisão e mantém comandante de UPP

Da Redação ·

SÃO PAULO, SP, 31 de agosto (Folhapress) - A Polícia Militar do Rio voltou atrás e informou na manhã de hoje que manterá na função o comandante da UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) do Morro da Providência, capitão Glauco Schorcht. O comando havia decidido afastá-lo na última quarta-feira, quando a Secretaria Estadual de Segurança iniciou uma ação contra o jogo do bicho. Na operação Catedral, 20 pessoas já foram presas, incluindo oito policiais - entre eles, os sargentos Marcos Aurélio das Chagas e Marcos André dos Santos, supervisores da UPP até 24 de maio. Quatro pessoas continuam foragidas. "Após analisar os documentos que deram origem às investigações sobre o envolvimento de policiais militares com contraventores, o comando da PM verificou que o capitão Glauco Schorcht colaborou com a identificação de alguns envolvidos", registrou nota da corporação. A exoneração do comandante do 5º Batalhão (Praça da Harmonia), coronel Amaury Simões, foi mantida. O substituto é o tenente-coronel Sidney Camargo de Melo. Simões perdeu o cargo após a prisão do chefe do serviço reservado do 5º BPM, capitão Anderson Luiz de Souza, denunciado por exploração do jogo do bicho, formação de quadrilha armada, corrupção passiva e violação de sigilo funcional. A operação Catedral também derrubou o delegado titular da 4ª DP (Praça da República) Henrique Pessoa, afastado logo após a prisão do chefe de investigação da unidade, Weber Santos de Oliveirado, acusado de receber propina do jogo do bicho. De acordo com a Secretaria de Segurança, a quadrilha era chefiada pelo contraventor Evandro Machado dos Santos, o Bedeu, e seu filho Alessandro Ferreira dos Santos, que também foram presos. O grupo arrecadava cerca de R$ 170 mil por mês e pagava R$ 30 mil em propinas a policiais. Ao longo de sete meses de investigação, 25 apontadores de jogos foram detidos. Baixada fluminense Uma outra operação contra o jogo do bicho foi iniciada hoje na Baixada Fluminense. De acordo com a Polícia Militar, 36 pessoas foram presas em 22 pontos de apostas em Nova Iguaçu, Mesquita e Nilópolis. O grupo inclui 26 apontadores, sete apostadores e três pessoas que controlavam máquinas caça-níqueis. Também foram apreendidos R$ 2.531 e 13 máquinas caça-níqueis, além de materiais usados para registrar as apostas.  

continua após publicidade