Geral

Encontro de países megaflorestais debate transições no setor

Da Redação ·
continua após publicidade
Representantes de 11 países entre aqueles que têm as maiores áreas de floresta do mundo reúnem-se entre segunda e sexta-feira, 4 a 8/06, em Whistler, no Canadá, para o encontro Megaflorestais. O Brasil, que ocupa a segunda posição no ranking das nações com mais florestas, com 516 milhões de hectares, contará com integrantes do Serviço Florestal Brasileiro (SFB) e do Instituto Estadual de Florestas (IEF) do Amapá, estado que tem cerca de 97% de seu território com cobertura florestal.
Este ano,  encontro terá a participação de entidades florestais de Camarões, Canadá, China, República Democrática do Congo, Indonésia, Libéria, México, Peru, Sudão do Sul e Estados Unidos - que juntos têm cerca de 1,7 bilhão de hectares de cobertura florestal -, além de especialistas de entidades internacionais ligadas ao tema.
O painel que abre o evento, na segunda-feira, vai tratar das mudanças enfrentadas pelas instituições florestais na última década, desafios atuais e mudanças previstas para os próximos anos. Os debates prosseguem nos demais dias com os temas como indústrias florestais em transição, repensando regulamentos florestais e impactos das reformas sobre posse da terra e de governança para as agências florestais.
Segundo o gerente executivo de Informações Florestais do SFB, Daniel Piotto, que representará o SFB no Megaflorestais, o encontro traz um ambiente propício à discussão de desafios comuns. “É um excelente fórum, uma vez que promove a troca de experiências entre países e facilita a construção de uma agenda global para a questão florestal”, afirma.
Para ampliar o diálogo entre os participantes, o Megaflorestais usa as regras da entidade britânica Chatlam House, em que os participantes são livres para usar a informação recebida, mas não podem atribuí-la a nenhum convidado em específico, com o objetivo de levar a uma discussão técnica, informal e mais aberta.
“Acredito que através de um diálogo franco e troca de informações entre diferentes países participantes será possível avançar em questões fundamentais para conciliação de uma agenda de desenvolvimento pautada numa boa gestão dos recursos florestais” complementa Piotto.
O encontro é realizado desde 2005, e há quatro anos, ocorreu no Brasil, em Brasília (DF) e Manaus (AM).