Geral

Norueguês teria usado drogas antes de ataques em Oslo, diz advogado

Da Redação ·
Anders Breivik teria usado drogas antes de cometer atentados que deixaram 76 mortos na Noruega, diz advogado de defesa
fonte: AFP
Anders Breivik teria usado drogas antes de cometer atentados que deixaram 76 mortos na Noruega, diz advogado de defesa

O advogado Geir Lippestad, que defende Anders Behring Breivik - autor dos ataques na Noruega que resultaram em 76 mortes no último dia 22 -, disse nesta segunda-feira (25) que seu cliente teria usado drogas antes de realizar as ações. Lippestad disse que ainda é cedo para afirmar, mas “o caso como um todo indica que Breivik seja louco”.

continua após publicidade

Segundo o advogado, Breivik teria usado as drogas para estar “forte, eficiente, desperto” durante a ação. Ele disse não saber, no entanto, que drogas Breivik teria tomado, nem se as teria usado no dia da ação ou um dia antes.

continua após publicidade

Nenhum familiar pediu para visitar Breivik até o momento, disse o advogado - que acrescentou que seu cliente afirma que tudo tem saído de acordo com o planejado até agora.

continua após publicidade

Breivik disse ter ficado surpreso por ter ido tão longe com os ataques, e que esperava que a polícia o tivesse detido bem antes.

Breivik afirmou que “sua guerra continuará” por mais 60 anos, e que se orgulha de a ter iniciado – segundo ele, após esse período, o mundo entenderá suas ações. Ele afirmou que seu cliente mencionou duas outras células extremistas na Noruega, e que teria mantido contato com outros grupos extremistas.

continua após publicidade

Segundo Lippestad, o autor dos ataques não fez nenhum pedido extraordinário até o momento, come normalmente e colabora com a polícia, fornecendo todas as informações pedidas - exceto sobre as supostas células terroristas na Noruega.

Ele afirmou ainda que Breivik deixou claro que esperava ser morto durante a ação na ilha de Utoeya. Seu cliente, na sua opinião, pareceu uma pessoa “muito fria”.

Breivik pretendia ler parte de seu manifesto de 1.500 páginas, caso sua sessão no tribunal tivesse sido aberta à imprensa - mas afirmou que não sabe se isso teria sido permitido. No entanto, durante a sessão fechada, ele de fato leu parte do documento para o juiz.