Esportes

Vítor Pereira tenta recuperar o psicológico do Corinthians: 'Não soubemos reagir'

Da Redação ·

O técnico Vítor Pereira deixou o estádio Hernán Siles, na Bolívia, bastante preocupado após a derrota corintiana diante do Always Ready, por 2 a 0, na estreia da Libertadores. Na visão do treinador português, a equipe "desapareceu" após levar o segundo gol, mesmo com a fase final inteira por jogar. Recuperar o psicológico e fazer a equipe mostrar reação são suas metas já para estreia contra o Botafogo no Brasileirão, domingo, e a segunda rodada do torneio sul-americano diante do Deportivo Cali, na quarta-feira.

continua após publicidade

O treinador terá pouco tempo para trabalhar antes de a equipe retornar a campo. Mas sabe que o apresentado em La Paz, mesmo com a altitude de 3.600 metros como adversário extra, não pode se repetir em visita ao Botafogo.

"Fizemos uma primeira parte boa, tivemos qualidade, conduzimos bem a bola, não permitimos que o adversário criasse nada a não ser um lance e o pênalti e criamos chances de gol. Faltou a definição no último terço", explicou, sobre os 45 minutos iniciais diante do Always Ready. Na volta do intervalo, o time foi logo sofrendo outro gol e a maneira como a equipe se abateu, é o ponto a ser corrigido para a sequência do ano em sua avaliação.

continua após publicidade

"O que mais me incomoda neste jogo foi a forma como sofremos os dois gols e como reagimos ao segundo gol. Sei que não é fácil reagir na parte emocional quando está na expectativa de buscar o resultado", explicou. "O que levo desse jogo e me deixa desgostoso é a incapacidade de reagir emocionalmente e taticamente. Na segunda parte a equipe foi muito mal, não foi do nosso nível."

Ainda sem saber se poderá contar com o lateral-direito Fagner, se recuperando de lesão muscular, o treinador teme que a torcida faça enorme cobrança a João Pedro, autor do pênalti ainda no começo da estreia na Libertadores. O deslocamento de Du Queiroz para o setor já é um indício do que o técnico planeja para a busca da reação, no Rio.

"Temos de demonstrar reação, temos de ser agressivos", enfatizou o treinador, que também cobra um pouco mais de garra aos jogadores. Corintianos reclamaram demais nas redes sociais da apatia do time. Paulinho ainda não se encaixou com Vitor Pereira, por exemplo, e já recebe críticas.