Esportes

Trintões comandam Atlético-MG e Flamengo na luta pelos títulos nacionais de 2021

Da Redação ·

De um lado um Flamengo que tenta manter a hegemonia nacional em busca de seu terceiro Campeonato Brasileiro consecutivo. Do outro, o Atlético-MG, líder isolado do principal torneio do País e que também surge como um grande rival do time carioca nesta reta final de Copa do Brasil, cujas partidas de ida da semifinal começam nesta quarta-feira. O que esses dois times têm em comum? A aposta em jogadores com alta quilometragem. Hulk, Diego Costa, Nacho Fernández, Réver, Diego Alves, Filipe Luís, Diego Ribas, Everton Ribeiro e Bruno Henrique são alguns dos nomes que fazem da experiência um importante aliado para alavancar seus times nas competições.

continua após publicidade

No Ninho do Urubu, um dos pilares que vem dando suporte à sequência de títulos na Gávea é a famosa "geração 85". Aos 36 anos, o goleiro Diego Alves, o lateral-esquerdo Filipe Luís e o polivalente Diego Ribas lideram o Flamengo dentro e fora de campo. São atletas rodados e que os mais novos param para ouvir. Protagonistas das conquistas recentes, eles seguem como peça fundamental para manter o Flamengo competitivo. Além do Brasileiro e da Copa do Brasil, o rubro-negro decide ainda a Libertadores no mês que vem, dia 27, em jogo único contra o Palmeiras, em Montevidéu. Ninguém ousa desconfiar do Flamengo por causa de seus jogadores mais veteranos.

"São 20 anos como profissional e a vida de jogador exige muito, tanto física como mentalmente. Sou movido a desafios. Penso em seguir projetos, o futebol está na minha veia e o Flamengo também", afirmou Diego Ribas sobre sua integração não só ao clube do Rio, mas também ao elenco. Diego era titular, saiu do time, se reinventou como segundo volante e está de novo entre os 11 do treinador. Com o aval do técnico Renato Gaúcho, a diretoria carioca já sinalizou uma renovação de contrato com seus três veteranos até o fim de 2022. Em mente, os dirigentes esperam cumprir dois objetivos: manter o nível de excelência em campo e garantir uma passagem de bastão tranquila no trabalho de renovação do elenco.

continua após publicidade

O chileno Isla, de 33 anos, o meia Éverton Ribeiro, de 32, e o atacante Bruno Henrique, que faz 31 em dezembro, endossam a opção do clube em optar por atletas experientes. Junta-se a esse grupo o zagueiro David Luiz, de 34, que desembarcou no clube para arrumar um problema na zaga. "O Flamengo não tem um time. Tem um grupo muito forte. Isso pode explicar o motivo de estarmos vivos nas três competições que disputamos. E a experiência dos jogadores mais rodados tem sido fundamental", disse Renato Gaúcho.

Em campo, esses atletas sabem dosar o ritmo do jogo e até do tempo. São mais vividos e já tiveram outras experiências até mesmo para conduzir os demais companheiros dentro do vestiário. Apagam incêndios, apontam caminhos e até ajudam na gestão do clube. Diego, por exemplo, mostrou sua cara no episódio trágico do Ninho que vitimou dez garotos da base.

ATLÉTICO-MG CONCENTRA EXPERIÊNCIA NO ATAQUE - No Atlético-MG, a alta quilometragem foi concentrada no seu setor ofensivo. Hulk, destaque do time e da temporada, tem 35 anos. Para aumentar ainda mais o seu poder de fogo, o time mineiro recrutou da Europa um outro veterano: Diego Costa, de 33. A dupla já deu o que falar antes mesmo de Diego desembarcar em Minas Gerais. Além de destacar a força do elenco, o centroavante não poupou elogios ao seu companheiro. "Eu acho o Hulk o melhor jogador em atividade no futebol brasileiro. Por tudo que ele está gerando: assistências, gols e dribles. É o nome do momento", disse ao se juntar ao clube em Belo Horizonte.

continua após publicidade

Além da dupla de peso, o técnico Cuca tem ainda à disposição o jogador Nacho Fernández, de 31 anos. Ele foi o destaque do time nos 3 a 1 sobre o Santos no meio de semana passado ao marcar dois gols. O elenco conta ainda com veteranos que, se não são todos titulares absolutos, procuram dar estabilidade à equipe quando são acionados. São os casos de Rever, de 36, e Mariano, com 35.

Atrás de um título que não chega para o clube desde 1971, Cuca sabe que a alta quilometragem de seus atletas vai ser importante para controlar a ansiedade mais perto da reta final, ou mesmo quando alguma coisa sai do controle, como a derrota para o Atlético Goianiense por 2 a 1 no fim de semana. Um elenco ansioso ganha jogos, mas perde campeonatos. "Nesse momento do Campeonato Brasileiro, os jogos vão ficando mais cascudos e a ansiedade bate em todo mundo. Comissão técnica, torcida e jogadores querem ganhar antes do tempo. Sabemos que temos de ter paciência e que a competição é jogo a jogo. Nessa parte, a experiência é fundamental", afirma o treinador.

FINALISTA DA LIBERTADORES, PALMEIRAS CONTA COM MEDALHÕES TAMBÉM - A queda de produção no Campeonato Brasileiro nos últimos jogos vem diminuindo as chances de título do Palmeiras. No entanto, a uma partida de uma possível conquista da Libertadores, o técnico Abel Ferreira tem, em seu plantel, medalhões que podem fazer a diferença. Uma prova disso é o goleiro Weverton, de 33 anos. Presença obrigatória nas convocações de Tite para a seleção brasileira, o goleiro é um dos melhores na sua posição. Na frente, Luis Adriano e Willian, ambos com 34, dão o toque de experiência ao time.

Mas a longevidade não se restringe aos titulares absolutos. O quarentão Jailson defendeu a meta palmeirense no empate de 0 a 0 contra o Bahia e deixou o campo como o destaque da partida. Ele joga bem pouco, mas nunca perde a forma nem o senso de posicionamento. Aos 38 anos, Felipe Melo se mantém como opção tanto no meio-campo quanto na defesa. O futebol apresentado pelo veterano fez a diretoria do clube rever os planos quanto ao futuro do jogador. No meio do ano, a diretoria chegou a anunciar que não renovaria o vínculo com o atleta. Mas as boas atuações nas semifinais da Libertadores contra o Atlético-MG mudaram esse cenário. Os frequentes elogios do técnico Abel colocaram o volante novamente no radar da diretoria e a renovação deve acontecer sem maiores problemas no fim de 2021.